Sites Grátis no Comunidades.net
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

Rating: 2.4/5 (776 votos)





Partilhe este Site...

 

 

 

 

 


ALENA BELISSIMA

 

 

 

 

 

As 5 doenças virais mais comuns

 

Os vírus são pequenos organismos vivos que provocam infecções no corpo humano. As doenças virais mais comuns são causadas por esses agentes que podem acometer praticamente qualquer tecido ou órgão. Todas elas possuem algum tratamento, porém, nem todas têm cura.


As doenças mais comuns causadas por vírus variam de simples e graves. 

 Resfriados entre as doenças virais mais comuns

 

Saiba um pouco mais de algumas das principais doenças causadas por vírus e como elas sedesenvolvem no organismo humano.

 

1. Resfriados

 

Os resfriados estão entre as doenças virais mais comuns porque são diversos os tipos de vírus que podem provocá-los. Eles costumam aparecer com maior frequência no inverno, pois é durante o período frio que a imunidade do organismo fica mais baixa e as células estão mais suscetíveis a infecções.

 

Quando os vírus se instalam no organismo, principalmente nas células do nariz e da faringe,provocam inflamações que, como consequência, trazem a coriza, a dor de garganta, a febre e outros sintomas.

 

2. Catapora

 

Também chamada de varicela, a catapora é uma das doenças virais mais comuns, principalmente entre crianças. Ela é altamente contagiosa e se manifesta através de uma infecção causada pelo vírus Varicela-Zoster, que fica alojado em nosso corpo pelo resto da vida, porém em estado adormecido.

 

Entre os sintomas, estão febre alta, mal estar, dor de cabeça e perda de apetite. No entanto, o sinal mais característico da catapora são as bolhas vermelhas com líquido que surgem por todo o corpo causando coceira.

 

3. Dengue

 

A dengue também está entre as doenças virais mais comuns e é causada por um mosquito, o Aedes aegypti. Sua picada causa uma infecção viral que provoca febre intensa, dores no corpo e na cabeça, cansaço extremo, falta de apetite, náuseas e vômito.

 

No começo, a febre surge de repente e logo começam as demais manifestações. Aparecem, então, manchas avermelhadas na pele e sangramentos pelo nariz ou nas gengivas. Ela não é contagiosa, sendo originária apenas do mosquito.

 

4. AIDS

 

O vírus que causa a AIDS é o HIV, vírus da imunodeficiência humana. Ela é uma das doenças virais mais comuns e ficou mundialmente conhecida após uma epidemia que atingiu grandes proporções na década de 1980.

 

A AIDS se manifesta quando o vírus invade os glóbulos brancos do sangue, que são responsáveis pelo sistema imunológico. Quando se multiplica, ele compromete a defesa do organismo, deixando-o à mercê de agressões de agentes externos (bactérias, parasitas e células cancerígenas).

 

Quanto mais agredidas são as células de defesa, maiores as probabilidades de o soropositivoser acometido por uma doença oportunista que pode levar à morte.

 

5. Herpes

 

O herpes é causado pelos vírus Herpes simplex 1 e 2. Costuma afetar principalmente as regiões genitais e da mucosa da boca. Ele não tem cura e, em alguns casos, pode ser fatal. No tratamento, são administrados medicamentos que atenuam os sintomas.

 

Quando a pessoa é infectada, o vírus se multiplica no organismo, causando manchas vermelhas e bolhas dolorosas, que contém um líquido que pode transmitir o vírus. A transmissão acontece principalmente através do contato sexual ou direto com a secreção da pessoa infectada.

 

O herpes surge e desaparece sem deixar marcas e é possível que mais de um vírus exista num único corpo.

(muito interessante esse post :créditos á Liliane Rose Christ

Editora de conteúdo)http://doutissima.com.br/2015/01/03/5-doencas-virais-mais-comuns-14670882/

 

Alimentos Ricos em Proteínas e Carboidratos

Essa matéria foi elaborada com o intuito de trazer informações sobre os alimentos ricos em proteínas e carboidratos para que todos possam realizar uma reeducação alimentar e passar a se alimentar melhor e não sofrer no futuro com a obesidade e os demais problemas no organismo que hoje em dia milhares pessoas possuem, confiram nossa matéria completa para obter maiores informações sobre esses alimentos.

Normalmente associamos a proteína à carne vermelha, pois fiquem sabendo que as proteínas também podem ser encontradas em vários outros alimentos, preparamos uma pequena lista com alguns alimentos ricos em proteínas, para que todos possam estar cientes de quais alimentos poderão consumir se caso a sua dieta for à base de proteínas, segue a lista com os alimentos ricos em proteínas:

Pão Integral ,Massas, Integrais ,Carnes Magras ,Peixe ,Feijões, Tofu ,Nozes Leite ,Leite de Soja ,Ovos ,Queijo, Iogurtes e Manteiga de Amendoim

Agora falaremos um pouco mais sobre os alimentos ricos em carboidratos, que podemos encontrar em qualquer mercado e fazer diversas receitas para que todos possam obter uma alimentação mais saudável e suprir as necessidades que o corpo humano necessita para funcionar como uma máquina perfeita, segue a lista com alguns dos alimentos que são ricos em carboidratos.

Amendoim, Soja ,Cereja, Lentilhas, Feijão Preto ,Damasco Seco ,Fettuccine Iogurte, Espaguete, Pêra ,Maça ,Sopa de Tomate ,Ameixa e Ravióli

Os  alimentos ricos em ferro, também são ótimas opções para quem pretende manter uma alimentação balanceada dando a oportunidade para que o organismo absolva tudo o que realmente é importante e funcione perfeitamente, segue uma lista com alguns alimentos que são ricos em ferro:

Gema de ovo Broto e Semente de Abóbora Aveia Instantânea Peixe Fécula de Batata Fígado de Boi Coração de Galinha Folhas Escuras como Espinafre, couve, brócolis, agrião Inhame Cozido

Falaremos agora dos alimentos que são ricos em cálcio, que podem ajudar bastante para que o nosso corpo humano tenha o que precisa para funcionar corretamente, segue a lista com os alimentos ricos em cálcio:

Amêndoa Brócolis Bolo de Trigo Castanha do Pará Farinha Láctea Flocos de Sereais Leite Integral Queijo Minas Frescal Leite Condensado Leite de Vaca Integral

 

Carboidratos - Gorduras - Proteinas

Professores Paulo Gentil     Mestrando da Universidade Católica de Brasília     Pós-graduado em Musculação e Treinamento de Força pela GFe em Fisiologia do Exercício    pela UVA. Presidente do Gease Bruno Fischer Coordenador de musculação da Academia Resistência Física     Membro do Gease

Carboidratos

Carboidratos são moléculas compostas de carbono, hidrogênio e oxigênio, em proporções constantes de 2:1 desse dois últimos átomos, daí seu nome: carbo (carbono) + hidrato (água).
Esse macronutriente tem sua digestão iniciada na boca e é absorvido no intestino em suas formas mais simples, caindo na circulação sangüínea. Diante de altos índices de glicose (forma mais abundante de carboidrato) é iniciada a liberação de insulina, a qual vai mediar o processo de absorção de algumas moléculas, dentre elas a glicose e os lipídios, vê-se então a primeira maneira através da qual a ingestão de carboidratos pode levar a hipertrofia e ao aumento do acúmulo de gordura.
Todos os 3 macronutrientes (carboidratos, gorduras e proteínas) são compostos basicamente de carbono, hidrogênio e oxigênio, à exceção das proteínas, que também possuem nitrogênio. O que dá a cada substância propriedades únicas é a disposição de suas ligações químicas e a proporção entre seus átomos. Após a "quebra" dos alimentos restam moléculas que podem ser usadas na ressíntese de vários tecidos, dependendo da demanda metabólica e da oferta nutricional. É como se seu corpo tivesse limitados tipos de peças e a partir delas montasse inúmeros quebra-cabeças. O problema é que seu corpo tem preferência por um tipo de quebra-cabeça e sua capacidade de montar outros tipos é limitada, só ocorrendo quando é estritamente necessário. Agora vêm a má notícia, o quebra-cabeça preferido de seu corpo é a ... (pausa dramática)... gordura. As outras formas, como glicogênio e proteínas musculares, podem ser induzidas pelas atividades físicas, porém sofrem sérias limitações.
  Dicas sobre a ingestão de carboidratos:
Escolha os alimentos pelo índice glicêmico: a magnitude da elevação dos níveis de glicose sangüínea induzida por determinado alimento é denominada índice glicêmico, e quanto maior for o índice glicêmico, maior será a liberação de insulina. Em diversas ocasiões estes picos de insulina são interessantes, mas dificilmente serão bem-vindos para quem deseja reduzir o percentual de gordura. Frutas e alimentos ricos em fibras geralmente produzem menores respostas glicêmicas, Sears (autor do Ponto Z) é mais radical e recomenda frutas inteiras ao invés de sucos, visto que as fibras se encontram na polpa e não no caldo.
Aproveite o momento: depois do exercício temos um período de poucas horas onde os carboidratos podem ser bem absorvidos através de um processo independente da insulina, visto que as contrações musculares induzem a migração da proteína GLUT-4 para a superfície celular, fazendo desta uma boa hora para se ingerir carboidratos (MacLean et al, 2000; . Outro momento favorável é após despertar, pois passamos várias horas em jejum devido ao sono, favorecendo um processo catabólico mediado pelo cortisol, o qual tem sua liberação inibida pelos níveis sangüíneos de insulina.
Evite o momento: altas taxas de glicemia inibem a liberação de hormônio do crescimento, o qual tem picos significativos durante o sono. Quando objetiva-se reduzir o percentual de gordura, a recomendação é estabelecer um intervalo maior que quatro horas entre a última refeição composta de carboidratos e a hora de dormir, para que não ocorra prejuízo dos picos de GH. Esta é uma recomendação controversa e muito discutível na prática, porém há quem a defenda com muito afinco. Coma de acordo com suas necessidades: qualquer macronutriente em excesso, seja ele qual for, ocasionará acúmulo de gordura corporal, lembre-se dos quebra-cabeças, seu corpo é muito limitado para acumular proteínas e carboidratos, mas não para acumular gordura.
Existem autores que defendem alta ingestão de carboidratos, outros defendem baixa, ou até mesma nula, e alguns preconizam o equilíbrio, com quantidades equivalentes entre carboidrato e gordura. Paradoxalmente, todos estão certos e errados ao mesmo tempo. Há pessoas mais sensíveis que produzem respostas de insulina exageradas, portanto devem ter cuidado com carboidratos. Muitos organismos não suportam concentrações elevadas de corpos cetônicos geradas pela "abstinência", devendo equilibrar a ingestão de glicidios. Por sua vez, dietas ricas em proteínas são desaconselháveis para portadores de disfunções renais. Talvez a propagação destas dietas "revolucionárias" tenha mais interesse financeiro do que humano, tanto que seus gurus são invariavelmente autores de best-sellers e engordam sua conta bancária utilizando poderosas estratégias de marketing.
Nem todas as dietas são agradáveis, minha recomendação é que se encontre o método mais conveniente dentro das limitações fisiológicas e psicológicas de cada indivíduo, lembrando de variar o cardápio e até mesmo o tipo de dieta, para evitar a monotonia e o platô desencadeado pela adaptação metabólica.

Benefícios dos sucos desintoxicantes

 

 

Nutricionista dá dicas de quais frutas usar e explica porque eles são tão bons para a saúde

O consumo de alimentos gordurosos e até o estresse do dia a dia acabam acumulando toxinas no corpo. Uma maneira fácil e natural de liberar isso é por meio da ingestão desucos desintoxicantes. Segundo a nutricionista Danielle Santos Nascimento, da Risa Restaurantes Empresariais, esses sucos podem ser feitos a partir de frutas e vegetais frescos, que são ricos em fibras e excelentes fontes de nutrientes.

Leia também:
Sucos especiais combatem a celulite e reduzem medidas
Aprenda a fazer suco natural que auxilia na prisão de ventre
Veja dois sucos para combater a anemia

 

 

Ainda segundo a nutricionista, existem várias frutas e verduras com o poder dedesintoxicar o organismo, como maçã, laranja, cenoura, abacaxi, melão, tomate, beterraba, agrião, limão, mamão, couve, morango e muitos outros. Os sucos desintoxicantes aumentam a disposição, deixam a pele hidratada, melhoram o desempenho da memória e do sistema imunológico e melhoram o sono. “Além disso, eles também promovem um ótimo funcionamento intestinal e ajudam a tonificação de pulmões, rins e fígado”, explica Danielle.

> Aprenda três receitas de sucos desintoxicantes

A dica para fazer esses sucos é usar uma centrífuga ou liquidificador para bater bem os ingredientes. Evite colocar muita água, meio copo de água filtrada ou de água de coco já é o suficiente para deixar o suco mais cremoso. Além disso, evite ao máximo açúcar e adoçantes.

Reportagem Bolsa de mulher

 

 

 

 

 

 

                                           Proteínas                  

 

  

A importância das proteínas

 

alimentos com proteinas

 

Os músculos, órgãos e o sistema imunológico estão cheios maioritariamente de proteínas e sua contribuição é sobre tudo em toda a estrutura dos tecidos que permite manter, repor e fazê-los crescer.

O corpo usa as proteínas para fabricar moléculas que em efeito permitem ao organismo desempenhar funções chaves, por exemplo, as proteínas servem para fabricar a hemoglobina, substância que contribui no transporte do oxigênio. Quer dizer, cumpri com diversas funções importantíssimas ao interior de nosso corpo são as que te permitem mover suas pernas, até prevenir centenas de doenças. Compreende a importância das proteínas?

Se alimentar com proteínas

 

alimentos com proteinas

 

Existem distintos tipos de proteínas com as que você pode se alimentar umas são de origem animal, como é o caso das carnes e os laticínios. Estas são conhecidas como proteínas completas pela quantidade de aminoácidos essenciais. Veja uma pequena lista para se levar em conta:

* Carnes
* Queijos
* Leite
* Crustáceos e mariscos

 

alimentos com proteinas

 

Na outra parte estão as proteínas de ordem vegetal; mas estas são consideradas incompletas porque faltam alguns aminoácidos e necessitam de acompanhamento proteico como os anteriores. Na lista de proteínas de origem vegetal estão por exemplo:

* Soja
* Legumes
* Frutas secas
* Cereais
* Verduras
* Frutas

O ideal em uma dieta é que seja equilibrada e por tanto nelas devem aparecer proteínas de origem vegetal e animal, na verdade não deve faltar porque essa carga de aminoácidos são essenciais e de fato o corpo precisa por sua incapacidade para produzi-los.

 

alimentos com proteinas

 

Dentro das múltiplas recomendações dos nutricionistas é tomar boas decisões na hora de comer e não se trata de ser obcecada olhando quantas proteínas tem em um produto, mas na realidade se trata de se alimentar conscientemente, sabendo a importância das proteínas e sobre tudo quantas deveria consumir por dia de acordo com as necessidades de seu organismo.

 

 O Que Comer na Dieta da Proteína



A dieta da proteína além de ser uma das mais fáceis a serem seguidas também pode ser muito benéfica ao seu corpo e a sua saúde.

Nada melhor do que ter o corpo saudável  e forte para qualquer tipo de situação, afinal, isto tudo faz a diferença em nossa rotina e acaba criando vínculos diretos com a alimentação, que por sua vez, é o fator mais importante para quem está querendo fazer o corpo crescer e ter um melhor desempenho na academia.

Assim, saber o que comer na dieta  da proteína é algo totalmente válido para quem procurasaúde e vitalidade no corpo, ingerindo sempre os alimentos mais bem consistentes em proteínas e fazendo com que você tenha um desempenho mais agradável no dia a dia.

           

 

Dieta da Proteína, o Que Comer?

Cada dieta possui uma lista com os alimentos que você pode e não pode comer e, na dieta da proteína não é diferente, pois para segui-la fielmente é preciso ter em mãos uma lista com os alimentos que você irá consumir enquanto estiver fazendo a mesma. Confira a seguir uma lista com alguns dos alimentos que fazem parte dessa dieta:

• Abobrinha verde
• Agrião
• Água com gás
• Água Natural
• Suco Clight (Maçã verde, TEA Maça)
• Atum
• Aves
• Tomate (até 3 por dia)
• Azeitona com tempero
• Caranguejo
• Berinjela
• Brócolis
• Café

Você talvez nem precise de aspirina, pois a massagem desencadeia um poderoso alívio natural da dor. No caminho para o cérebro, a pressão captada pelas células nervosas da pele passa pela medula espinhal, um dos centros de dor do corpo. E sinais de pressão viajam mais rápido do que sinais de dor, bloqueando temporariamente quaisquer sintomas desagradáveis. Isso pode explicar por que seu instinto é pressionar um ponto doloroso depois de se machucar.


• Camarão
• Mexilhões
• Carne Bovina
• Leite Desnatado
• Cebola como tempero
• Cenoura (1 por dia)
• Chá (cidreira, mate, etc.)
• Espinafre
• Chuchu
• Cogumelo
• Couve-flor
• Gelatina Diet (Doce-Menor, Açucryl, Adocyl)
• Refrigerante Diet
• Couve
• Geleia Diet de morango (Adocyl e Doce-Menor)
• Azeite
• Bacalhau
• Alface
• Jiló
• Lagosta
• Limão
• Manteiga/Margarina Light
• Chicória
• Nabo
• Ostra
• Ovo
• Rabanete
• Peixe
• Pepino
• Pimenta e Pimentão
• Presunto
• Queijos (só industrializados)
• Quiabo
• Sopa de legumes
• Repolho
• Sal em pouca quantidade
• Salada verde
• Salpicão (maionese caseira, salada, pimentão)
• Salsa
• Sashimi
• Acelga
• Vagem
• Sukiaki sem macarrão
• Aspargos

Proteína Magra

Se você procura perder mais peso, você deve apostar na Proteína Magra, que nada mais é do que as substancias de alimentos como o peixe, o ovo e o frango, por pelo menos, dois dias por semana. Então, você pode voltar a incluir um pouco de carboidrato no seu cardápio, como batata, arroz, massas, entre outros sabores deliciosos desta dieta que lhe fará muito bem.

 

A Nutricionista Diz

De acordo com as informações da nutricionista Vanessa Franzen Leite, especialista em nutrição clínica, psicológica e esportiva do emagrecimento – “O menu também inclui o tão falado óleo de coco. Ele segura a fome e acelera a queima de gordurinhas. Pode ser consumido puro, para refogar, grelhar ou temperar a salada”, diz Vanessa. Por quanto tempo seguir o cardápio? “Por 30 dias, no máximo”.

 

Não Perca Tempo

Monte já o seu cardápio com todos estes fenômenos alimentares que envolvem as proteínas, afinal, é sempre bom manter uma linha discreta desta dieta que faz tão bem ao nosso corpo na força do dia a dia.

Melhore o poder do seu cérebro comendo

Com alimentação balanceada é possível adiar o declínio cognitivo que ocorre com o passar dos anos

The New York Times 

 

Thinkstock/Getty Images
Vegetais e peixes ricos em ômega-3 ajudam a turbinar a memória
O declínio cognitivo pode levar à dificuldade de lembrar, comunicar ou aprender novas tarefas.

 

A Academia Americana de Médicos de Família sugere as seguintes medidas para ajudar a melhorar a saúde do cérebro e prevenir o declínio cognitivo:

- Mantenha o peso, o colesterol e a pressão arterial sob controle, com uma dieta nutritiva e alimentos com baixo teor de gordura. Confira também: dieta saudável para perder 5kg em um mês .

- Consuma em grande quantidade grãos, frutas e vegetais.

- Evite gorduras saturadas. Leia também: Consumo de gorduras saturadas e trans aumenta risco de depressão .

- Inclua ácidos graxos ômega-3 na dieta, como os contidos em peixes como salmão, sardinha e atum.

- Pergunte a seu médico se você deve tomar algum suplemento com vitaminas .

Alho contra gripe, hipertensão e infecções

Alimento estimula o sistema de defesa, potencializa o efeito de medicamentos e ajuda a combater doenças

Lívia Machado, iG São Paulo |

Foto: Thinkstock/Getty Images

Suco de alho atua na prevenção de doenças. Associado a antibióticos, potencializa a cura

A receita é simples, embora difícil de engolir. O suco caseiro feito com água e um dente de alho triturado é capaz de provocar muito mais do que um hálito constrangedor.

O alimento, diluído na água e deixado em repouso por 20 minutos, libera todas as propriedades químicas responsáveis por ativar o sistema imunológico – responsável pela defesa do organismo – além de ser eficiente no controle da hipertensão.

A descoberta faz parte da tese de doutorado do farmacêutico e professor de química da escola técnica Confil, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Paulo César Venâncio.

Leia também:

Perigo no prato
O lado bom do jiló
Chocolate amargo faz bem ao coração
Água de coco é remédio caseiro

O especialista analisou o efeito 'antibiótico' do alho brasileiro (Allium sativum), comercializado em feiras livres e supermercados. A proposta era mapear de que forma o alimento atua no combate e na prevenção de doenças. Para comprovar tais propriedades, infecções bacterianas graves foram provocadas em ratos e in vitro.

“Esse tipo de pesquisa não pode ser validada em seres humanos. As doenças geradas nos ratos são severas, similares a uma infecção hospitalarmeningite, pneumonia. O risco é muito alto”, explica Venâncio.

Segundo o professor, o resultado da pesquisa mostrou que o tratamento feito com antibiótico, associado ao consumo do alho, acelera o processo de cura da doença, ou seja, o alho potencializa o efeito do remédio.

“O alho é um fitoterápico que estimula o organismo a combater a infecção, atua diretamente no sistema imunológico. Sozinho, tem fator de prevenção. Junto com remédios, é um coadjuvante poderoso”, defende o farmacêutico.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) indica que o ‘suco’ do alho seja consumido no máximo duas vezes ao dia, junto com as refeições.

O horário recomendado para consumo tem fundamento. Venâncio explica que o alho é composto de enxofre, elemento que provoca fermentação no estômago, e é responsável pelo cheiro ruim, forte. Ao ingerir o composto junto com o alimento, é possível minimizar o hálito constrangedor.

Tal reação provocada no estômago faz do alho um fitoterápico contraindicado para quem tem problemas gástricos. A acidez do alimento, nessas pessoas, pode acentuar o desconforto, dificultar a digestão.

 

Chá de hibisco: a bebida que combate a gordura da barriga e quadris

Ele ainda controla os níveis de colesterol, pressão arterial e tem ação diurética

 

POR BRUNA STUPPIELLO

Chá de hibisco evita o acúmulo de gordura

 

O chá de hibisco é preparado com o cálice do botão seco da flor chamada Hibiscus Sabdariffa. Devido a esta planta, a bebida é rica em substâncias antioxidantes como flavonoides e ácidos orgânicos. Estes nutrientes proporcionam diversos efeitos benéficos, entre eles, a ação diurética, impedindo a retenção de líquidos, e a capacidade de evitar o acúmulo de gorduras, principalmente na região da barriga e quadris. 

Este último ocorre porque o chá reduz a adipogênese, processo no qual ocorre a maturação de células pré-adipócitas que se convertem em adipócitos maduros, capazes de acumular gordura no corpo. 

Outros estudos apontam que alguns flavonoides presentes na bebida possuem um efeito cardioprotetor e vasodilatador. Assim, as substâncias ajudam a aumentar o colesterol bom, HDL, diminuir o colesterol ruim, LDL, triglicerídeos e a pressão arterial. 

Principais nutrientes do chá de hibisco

Chá de hibisco - 200 ml - um copo  
Calorias 74 kcal
Proteínas 0,86 g
Gorduras totais 1,3 g
Carboidratos 14,82 g
Fibras 0,6 g
Açúcar total 12 g
Ferro 17,28 mg
Magnésio 2 mg
Fósforo 6 mg
Potássio 18 mg
Sódio 6 mg
Vitamina C 36,8 mg
Tiamina - Vitamina B1 2,55 mg
Riboflavina - Vitamina B2 0,198 mg
Ácido fólico 2 mcg
Vitamina A 30 mcg
Cálcio 2 mg

Fonte: Tabela do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.                  

Confira qual a porcentagem do Valor Diário* de alguns nutrientes que a porção recomendada, 200 ml (um copo), deste chá carrega: 

  • 213% de vitamina B1
  • 123% de ferro
  • 82% de vitamina C
  • 15% da vitamina B2
  • 5% de vitamina A

*Valores Diários de referência para adultos com base em uma dieta de 2.000 kcal ou 8.400 kj. Seu valores diários podem ser maiores ou menores dependendo de suas necessidades energéticas. 

O cálice da flor utilizado para elaborar o chá de hibisco é rico em vitamina B2 (riboflavina), que auxilia na saúde da pele, ossos e cabelos, e a vitamina B1 (tiamina). Todas vitaminas pertencentes ao complexo B ajudam o nosso corpo na captação de energia nas células, principalmente ao auxiliar no metabolismo do oxigênio e da glicose, as principais fontes de combustível celular. A B1, ainda por cima, tem essa ação principalmente nos neurônios, células que formam nosso cérebro. 

O chá ainda possui boas quantidades de ferro, que atua no transporte de oxigênio no organismo e previne problemas como anemia, dor de cabeça e cansaço. A Vitamina A, que conta com um efeito antioxidante e é necessária para a visão, sistema imunológico, pele e saúde óssea, e a vitamina C, que protege o organismo contra a baixa imunidade, doenças cardiovasculares, doenças dos olhos e até envelhecimento da pele, também estão presentes na bebida.  

A bebida conta com diversas substâncias antioxidantes, como os flavonoides, especialmente as antocianinas, que possuem efeito cardioprotetor, vasodilatador e contribuem para evitar o acúmulo de gorduras. 

Outro flavonoide interessante é a quercetina que ajuda a proporcionar uma ação diurética. Os ácidos orgânicos, como os ácidos cítricos, hibístico e málico, também possuem ação antioxidante e estão presentes em boas quantidades no chá de hibisco. 

Benefícios do chá de hibisco

Chá de hibisco tem ação diurética

Evita o acúmulo de gordura: Uma pesquisa publicada no Journal of Ethnopharmacology da Sociedade Internacional de Etnofarmacologia concluiu que o chá de hibisco é capaz de reduzir a adipogênese. Este processo consiste na maturação celular no qual as células pré-adipócitas se convertem em adipócitos maduros capazes de acumular gordura no corpo. 

Ao diminuir este processo, o chá de hibisco contribui para que menos gordura fique acumulada na região do abdômen e nos quadris. Ainda não está claro qual é a substância presente na bebida que é responsável pelo benefício. Porém, acredita-se que a ação antioxidantes dos flavonoides antocianina e quercetina contribuem para reduzir o depósito de gordura.

Ação diurética: O chá de hibisco tem efeito diurético, por isso é um aliado para evitar a retenção de líquidos. Um estudo publicado no Journal of Ethnopharmacology da Sociedade Internacional de Etnofarmacologia observou que o flavonoide quercetina presente na bebida é um dos nutrientes que ajuda a proporcionar esta ação. 

Outra pesquisa publicada pela Planta Medica, da Society for Medicinal Plant and Natural Product Research, concluiu que o chá age na aldosterona, hormônio secretado pelas suprarrenais que regulam o balanço eletrolítico do organismo favorecendo a ação diurética. Ainda não foram identificados quais os nutrientes que proporcionam o benefício. 

Controla o colesterol: Um estudo publicado no Journal of Alternative and Complementary Medicine feito com 53 pacientes portadores de diabetes concluiu que o consumo do chá de hibisco contribui para a diminuição do colesterol ruim, LDL, e aumento do colesterol bom, HDL. A bebida diminuiu o colesterol LDL em 8% e aumentou o HDL em 16,7%. 

O mesmo estudo comparou o chá de hibisco com o chá preto e observou que o primeiro é mais eficiente para o combate do colesterol do que o segundo. Isto porque o preto apenas aumentou o HDL, mas diminuiu o LDL. O chá de hibisco é tão interessante para pessoas que possuem problemas com os níveis de colesterol por ser rica em substâncias com ação antioxidante.  

Controla a pressão arterial: Um estudo publicado no Journal of Nutrition concluiu que o chá de hibisco ajuda a baixar a pressão arterial. A pesquisa contou com 65 pacientes que tiveram os níveis de pressão arterial reduzidos. Os estudiosos acreditam que alguns flavonoides presentes na bebida proporcionariam este benefício ao diminuir uma enzima que atua sobre a pressão arterial. 

Bom para o cérebro: O chá de hibisco conta com boas quantidades de vitaminas B1 e B2. Todas as vitaminas pertencentes ao complexo B ajudam o nosso corpo na captação de energia nas células, principalmente ao auxiliar no metabolismo do oxigênio e da glicose, as principais fontes de combustível celular. A B1, ainda por cima, tem essa ação principalmente nos neurônios, células que formam nosso cérebro. 

Quantidade recomendada do chá de hibisco

Chá de hibisco controla o colesterol

A orientação é consumir um copo de 200 ml de chá de hibisco. Para cada copo deve ser utilizado de 4 a 6 gramas da flor seca, equivalente a uma colher de chá, ou dois a três pacotinhos de chá.  

Como consumir o chá de hibisco

Caso utilize a flor a granel, procure aquecê-la o mínimo possível para não perder as propriedades. Separe 200 ml de água, deixe ferver e após isso adicione de 4 a 6 gramas, equivalente a uma colher de chá, da flor seca. Mantenha a bebida por três minutos no fogo e após isso ela pode ser consumida. 

Compare o chá de hibisco com outros chás

Nutrientes Chá de hibisco - 200 ml - um copo Chá-preto - 450 ml Chá mate - 1 litro
Calorias 74 kcal 1 kcal 30 kcal
Proteínas 0,86 g 0 g 0 g
Gorduras totais 1,3 g 0 g 1 g
Carboidratos 14,82 g 0.3 g 6 g
Fibras 0,6 g 0 g 0 g
Cálcio 2 mg 0 mg 10 mg
Ferro 17,28 mg 0.01 mg 0 mg
Magnésio 2 mg 1 mg 20 mg
Fósforo 6 mg 1 mg 0 mg
Potássio 18 mg 21 mg 50 mg
Sódio 6 mg 0 mg 0 mg
Vitamina C 36,8 mg 0 mg 0 mg
Tiamina - Vitamina B1 2,55 mg 0 mg 8,9 mg
Riboflavina - Vitamina B2 0,198 mg 0.014 mg 0 mg
Ácido fólico 2 mcg 5 mcg 0 mcg
Vitamina A 30 mcg 0 mcg 0 mcg

Fonte: Tabela do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos e Tabela Brasileira de Composição dos Alimentos / Taco - versão 2, UNICAMP 

O chá de hibisco possui quantidades do flavonoide antocianina, um poderoso antioxidante, tão relevantes quanto as frutas vermelhas e roxas, como a amora, morango e mirtilo (blue berry). Comparado com outros chás, o de hibisco é rico em vitaminas A e C e em ferro, enquanto o preto e o mate não possuem estes nutrientes. 

Combinando o chá de hibisco

Chá de hibisco + alimentos termogênicos: Pessoas que pretendem emagrecer podem combinar o chá de hibisco com um alimento termongênico. Isto porque o primeiro irá evitar que a gordura se acumule na região do abdômen e quadris enquanto o segundo será capaz de aumentar o gasto energético. Uma boa opção de bebida termogênica é o chá verde. 

Contraindicações

É interessante que gestantes e lactantes evitem o chá de hibisco. Isto porque alguns estudos preliminares apontaram que a bebida possui ação mutagênica, ou seja pode interferir na estrutura dos genes do bebê, trazendo problemas. 

Riscos do consumo excessivo

Por ter ação diurética, o consumo em excesso do chá de hibisco pode fazer com que a pessoa elimine muito eletrólitos, nutrientes essenciais para o funcionamento do organismo composto principalmente por cálcio, potássio, sódio e magnésio. A falta destas substâncias pode levar à desidratação. 

Onde encontrar

 O extrato seco da flor de hibisco pode ser encontrada em lojas de produtos naturais.            

Fontes consultadas: 
Andrea Dario Frias, doutora em ciência da nutrição e Ph.D em nutrição, coordenadora do centro de pesquisas Sanavita. Alexandros Botsaris, clínico geral e fitoterapeuta, presidente do Conselho Diretor da Associação Brasileira de Fitoterapia. Maria Angélica Fiut, nutricionista e fitoterapeuta, membro do Conselho Diretor da Associação Brasileira de Fitoterapia (ABFIT). 

POR MINHA VIDA

 

 

Os benefícios de uma massagem para a sua saúde

Ela é divina, relaxa os músculos tensos e aumenta o fluxo sanguíneo da pele (bem-vinda, bochecha corada). Mas os benefícios vão além do que você imagina


Até o sistema imune fica mais ativo com uma massagem 

 

Um toque. Isso é o necessário para fazer as coisas acontecerem. Logo que as células nervosas sentem uma pressão firme na pele, elas disparam, em uma fração de segundo, o sinal de relaxamento para o cérebro, que ativa o sistema nervoso parassimpático. Nome longo, propósito simples: ele combate o stress ao apertar um botão gigante de reajuste em...


PULMÃO E BARRIGA

O nervo vago, a principal rodovia parassimpática entre o cérebro e os órgãos vitais, envia uma mensagem para os pulmões respirarem mais lenta e profundamente e para o sistema digestivo pegar o ritmo. O inverso acontece quando você está esgotada: os pulmões trabalham demais e o estômago demora para processar os alimentos.


CORAÇÃO

Durante massagens em costas, pescoço ou peito, o ritmo cardíaco pode diminuir em mais de dez batimentos por minuto. A pressão arterial cai até 8%.


SISTEMA IMUNE

Estimuladas pela pressão suave da massagem, as células brancas do sangue, responsáveis por combater infecções, aceleram sua atividade. Elas fazem uma patrulha vigilante, caçando e ajudando a matar as células virais, bacterianas e cancerígenas.


HORMÔNIOS DO ESTRESSE

Aquelas mãos que circulam sobre o seu corpo - mesmo que seja uma automassagem - podem fazer maravilhas a quem sofre com ansiedade. O nervo vago instrui as glândulas suprarrenais a reduzir a liberação de hormônios do estresse, como cortisol e vasopressina.


CÉREBRO

As ondas cerebrais começam a mudar. Se é de manhã e você está desperta, pode se sentir mais alerta depois de uma massagem. Caso receba a sessão à noite, as ondas cerebrais podem influenciar o padrão de sono, induzindo-a a dormir profundamente. Provocado pelos nervos parassimpáticos, o cérebro também intensifica a produção do neurotransmissor do bom-humor, a serotonina.


MECANISMO DE DORES

12 hábitos ajudam a manter a família unida

Saiba como é possível fortalecer o vínculo afetivo com pequenas atitudes

Crescem os estudos que comprovam como os familiares interferem na nossa saúde física e mental, independente da idade. Uma pesquisa publicada no Jornal da Associação Americana do Coração, por exemplo, comprovou que pacientes da terceira idade se recuperam muito mais rápido de derrame quando acompanhados dos parentes. Já um outro estudo recente da Universidade de Oregon, nos EUA, indicou que pais com dificuldades de relacionamento têm mais chances de ter bebês com distúrbios durante o sono. 

Manter o vínculo afetivo é uma vantagem e tanto, mas nem sempre é fácil. "Há famílias que se veem muito, porém as pessoas não são tão próximas, porque tem o componente da afinidade. Construímos vínculos com as pessoas que nem sempre podem existir nas famílias", explica a psicóloga Eliana Alves, do Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro. No Dia Nacional da Família (08 de Dezembro), confira alguns ingredientes diários que podem incrementar os laços afetivos e aumentar - de fato - a união familiar

Respeite os limites de cada um

Esse é um dos hábitos mais difíceis, pois implica aceitar algumas diferenças. "Cada indivíduo da família tem seu ritmo, seu jeito de vivenciar as coisas da vida. Tanto os filhos como os pais desenvolvem essa percepção do 'jeito de cada um'", conta o psiquiatra Paulo Zampieri, Terapeuta de Casais e Famílias, de São Paulo. Procurar respeitar essas peculiaridades - desde que não sejam preocupantes - pode ajudar a resolver conflitos familiares de uma forma muito mais fácil.

Prorize o bom humor - Foto: Getty Images

Priorize o bom humor

Procure encarar os conflitos familiares com mais disposição. Muitos deles surgem por motivos pequenos e são alimentados pelo cansaço e estresse do dia a dia. "Encarar conflitos já é melhor do que evitá-los e há de ser com bom humor, senão fica sempre parecendo cobrança ou bronca", aconselha o psiquiatra Paulo Zampieri.  

Crie momentos de convivência - Foto: Getty Images

Cozinhe em conjunto

A psicóloga Eliana Alves fala que é importante criar espaços que propiciem um vínculo afetivo. "Vivemos no imperativo da falta do tempo, mas é necessário se preocupar em criar momentos para conviver com nossos familiares", diz a especialista. 

Para driblar essa falta de tempo, os programas conjuntos podem ser tarefas diárias como as atividades domésticas, que permitem uma troca de experiências. "Atividades lúdicas e domésticas ajudam todos os membros da família a se apropriarem dos pertences do lar, aprendendo juntos as tarefas que um dia os filhos também farão", afirma o psiquiatra Paulo Zampieri.  

Diálogo permite conhecer melhor o outro - Foto: Getty Images

Incentive o diálogo

Essa é uma das práticas mais fundamentais. De nada adianta viver unidos sob o mesmo teto se não há conversa, se as pessoas não compartilham seus sentimentos e experiências de vida. O diálogo permite saber o que o outro está pensando e sentindo e é a melhor forma de resolver desentendimentos. 

"Os familiares são os maiores parceiros que filhos, pais e avós têm naturalmente na vida", lembra o psiquiatra Paulo Zampieri, que dá uma boa dica para fortalecer os vínculos por meio do diálogo. "Peça aos avós que contem como foi a vida deles, como se uniram, o que pensavam da vida. É um jeito interessante de co-construir a história da família por meio dos protagonistas mais velhos e permite conhecer como os costumes mudaram", completa.  

Faça das horas de lazer um momento de família  - Foto: Getty Images

Crie momentos de lazer com todos

Os familiares servem de apoio nas horas difíceis, mas também podem ser ótimas companhias para momentos de distração e divertimento. O psiquiatra Paulo Zampieri conta que, quando os filhos são pequenos, fica mais fácil: "É só convidar que todos vão", comenta. 

No entanto, quando os filhos crescem e se tornam mais independentes, essas ocasiões ficam cada vez mais incomuns. "Quando a família cultiva esses hábitos desde cedo, gera a possibilidade de conservar atividades de lazer em conjunto em etapas mais adultas", completa o especialista.

Disponibilidade abre espaço para conversas - Foto: Getty Images

Procure estar disponível

Não precisa ser super-herói: é impossível estar disponível o tempo todo e a família precisa entender isso, principalmente as crianças. Entretanto, mostrar disponibilidade para conversar e dar atenção, sempre que possível, é fundamental. De acordo com o psiquiatra Paulo Zampieri, os pais devem fazer isso de forma declarada. "Conte comigo", "sou seu parceiro" ou "se precisar, estou aqui" são frases que ajudam os filhos a encontrarem um momento de poder falar.  

Livre-se das preocupações do trabalho - Foto: Getty Images

Evite que a rotina agitada e estressante interfira no contato familiar

É nada agradável encontrar uma pessoa em casa com a cara fechada, sem vontade de conversar. Experimente imaginar que, no momento em que você for passar pela porta de entrada, as preocupações do trabalho ficarão do lado de fora. A família poderá ser uma excelente forma de distração! 

Em alguns momentos, procure também deixar o trabalho e demais compromissos em segundo plano. "Tal postura pode indicar valorização do contato, como se a pessoa estivesse dizendo à família: 'vocês são importantes para mim'", afirma a psicóloga clínica Michelle da Silveira, de São Paulo. 

Há várias formas de demonstrar afeto - Foto: Getty Images

Invista no afeto

Há várias formas de manifestá-lo, vale a sua criatividade de adaptá-las ao tempo e à rotina que você possui. Não se esqueça também do carinho físico. Um simples abraço proporciona conforto e uma ligação muito forte. "O afeto pode ser uma forma de aproximação das pessoas. A partir dele, outros sentimentos fundamentais para as relações serem estabelecidas são formados, como: respeito, compreensão, tolerância, entre outros", explica a psicóloga Michelle da Silveira. 

Procure interagir sempre que possível - Foto: Getty Images

Não espere os finais de semana

Procure se lembrar de estreitar os vínculos sempre. Um telefonema, um email ou mesmo uma mensagem por celular podem ser demonstrações de afeto que fazem a diferença. "Com maior tempo de interação, as pessoas poderão se conhecer melhor, agregar pontos positivos da outra pessoa, descobrir afinidades e, a partir daí, estreitar os laços que podem levar à construção de vínculos mais estáveis", esclarece a psicóloga Michelle da Silveira. 

Saber reconhecer os erros evita grandes conflitos - Foto: Getty Images

Reconheça os próprios erros

Ninguém na família é perfeito, inclusive os pais. Segundo a psicóloga Michelle da Silveira, assumir falhas pode implicar em mudança, uma vez que a pessoa refletiu sobre a sua ação e, em uma próxima situação parecida, tentará agir de forma diferente. "Esse comportamento de flexibilidade gera confiança na pessoa com a qual se relaciona, pois ela fica com a idéia de que o erro poderá não se repetir", completa. 

Fortaleça vínculos com momentos exclusivos

Crie momentos a sós com cada um

Estimular ocasiões exclusivas entre marido e mulher ou mãe e um dos filhos, entre outras possibilidades, facilita a comunicação. A psicóloga Michelle da Silveira explica que isso favorece o conhecimento entre as pessoas e facilita a criação de sentimentos, como intimidade e confiança. 

Seja um exemplo nas suas atitudes - Foto: Getty Images

Seja um exemplo

Suas pequenas atitudes no âmbito familiar podem gerar admiração pelos parentes. Quando há essa admiração, a possibilidade de existir vínculos é maior. A psicóloga Michelle da Silveira explica: "Existe nas relações a intenção comum entre as partes de agregar valores, e só é possível obter esses valores, em geral, de alguém sobre o qual se nutre admiração". 

Encare a tristeza

 

Sem medo de ser INFELIZ
A tristeza nem sempre é encarada como algo que faz parte da vida e os critérios de diagnóstico que distinguem esse sentimento da depressão ainda não são claros. Por isso muita gente anda se enchendo de antidepressivos.

 

por André Santoro | ilustração Roberto Weigand

 

 

 

Os economistas David Blanchflower, do Darthmouth College , nos Estados Unidos, e Andrew Oswald, da Universidade de Warwick, na Inglaterra, publicaram recentemente um estudo que traz uma revelação sobre os nossos altos e baixos: segundo os pesquisadores, a probabilidade de termos episódios de tristeza profunda é muito maior na meia-idade, lá pelos 40 anos, do que na juventude ou na velhice. O artigo iluminou ainda mais um assunto que é alvo de muita discussão nos tempos atuais: a incidência de depressão e as formas de combatê-la.

 

Segundo a Organização Mundial da Saúde, a doença atinge cerca de 121 milhões de pessoas no planeta. Desse total, apenas 25% recebem tratamento adequado. A dificuldade é justamente diagnosticar um problema que é subjetivo e envolve emoções complexas. "Apesar das tentativas de padronização dos métodos que identificam esse mal, os critérios para isso ainda não são precisos", justifica o psiquiatra Raphael Boechat, daUniversidade de Brasília.

 

De forma geral, a depressão se distancia da tristeza quando os sintomas — falta de interesse pelas atividades cotidianas e insônia, entre vários outros — duram mais do que o esperado ou são desproporcionais ao episódio que despertou esse sentimento em determinado momento da vida. Nesses casos, e quando o médico afasta totalmente a possibilidade de se tratar de "tristeza reativa" — nome que os especialistas dão à dor que resulta de uma perda ou uma decepção —, os psiquiatras defendem a medicação. "Até mesmo os casos mais leves de depressão clínica devem ser tratados com antidepressivos para evitar que se transformem em problemas mais sérios lá na frente", afirma Boechat.

 

"O crescimento do tratamento da depressão tem benefícios como a redução de suicídios e o aumento da produtividade", alerta, em artigo recém-publicado no British Medical Journal, o psiquiatra Ian Hickie, da Universidade de Sydney, na Austrália. No entanto, há quem afirme que o número cada vez maior de diagnósticos de depressão denote a falta de critério dos médicos ao avaliar os pacientes. "Por falta de preparo, muitos acabam prescrevendo remédios para amenizar episódios simples de tristeza", admite Boechat.

 

Médicos, psicólogos e psicanalistas do mundo todo começam a levantar uma bandeira que pode parecer estranha: a de que a tristeza não deve ser evitada a qualquer custo, pois faz parte do nosso cotidiano e até nos ajuda a crescer. "Há um sentido existencial nesse sentimento, pois ele nos faz questionar a nossa vida e buscar caminhos alternativos", defende o psicólogo Fabiano Murgia, de São Paulo, autor do livro Salve a Depressão (Editora Edicta). Ele acredita que os quadros depressivos geralmente são criados por emoções mal resolvidas. E o remédio, de acordo com essa visão, alivia apenas o sintoma, sem cuidar da raíz do problema em si.

 

Essa tese, aliás, é defendida por vários pesquisadores. O livro The Antidepressant Solution ("A solução dos antidepressivos", sem edição em português), do psiquiatra Joseph Glenmullen, da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, provocou alvoroço ao colocar os antidepressivos na berlinda. Além de defender um controle mais rígido sobre o diagnóstico dos casos de depressão, o autor traz à tona possíveis efeitos colaterais dos medicamentos. Em teoria, eles são seguros e não provocam dependência. "Mas os efeitos de longo prazo ainda não são totalmente conhecidos", ressalva o estudioso Jerome Wakefield, da Universidade de Nova York, que escreveu The Loss of Sadness ("A perda da tristeza", também sem edição em português).

 

O ideal, então, seria procurar um especialista com formação adequada para lidar com casos de depressão. E recorrer aos remédios apenas quando eles forem realmente necessários. Afinal de contas, como disse Carlos Drummond de Andrade no poema Viver Não Dói, "o sofrimento é opcional; a dor é inevitável".

A tristeza na arte
Vários artistas e intelectuais, atormentados por situações que deram origem à angústia severa, encontraram nas artes o meio para superar a dor ao longo da vida. Um exemplo é o holandês Vincent van Gogh (1853-1890). Aos 27 anos, quando decidiu se dedicar à pintura, ele acreditava que suas telas iriam livrá-lo da melancolia que o assolava. No caso dele, a arte como remédio não funcionou. Mas os resultados dessa estratégia são reconhecidos, hoje, como algumas das obras mais importantes da história da pintura. O compositor alemão Ludwig van Beethoven (1770-1827) é outro gênio que, no caso, se refugiou na música. Pouco antes de morrer, já completamente surdo, ele continuava escrevendo suas partituras para aliviar uma permanente sensação de sofrimento intenso.


Aos 40 a tristeza é maior
Pessoas jovens e idosas têm menos chances de desenvolver quadros de angústia e depressão do que aquelas que estão na meia-idade. Essa é a conclusão de um estudo publicado na revista Social Science & Medicine pelos economistas David Blanchflowere Andre Oswald. Os pesquisadores fizeram um levantamento de estatísticas sobre o bem-estar da população de vários países e descobriram que o gráfico da felicidade tem a forma da letra "U", levando-se em conta a evolução do bem-estar nas diferentes fases da vida. No Brasil, por exemplo, a idade média para que alguém atinja o fundo do poço é 36,6 anos. "É uma idade inferior à registrada em outros países, mas o padrão de evolução do bem-estar é igual em todas as regiões do globo", garante Oswald. A interpretação da análise é simples: crianças, jovens e idosos sentem-se melhor porque sofrem menos pressões e cobranças econômicas e sociais. Mas há quem ressalve: "Outras pesquisas indicam uma incidência maior de bem-estar na meia-idade", diz Allan Horwitz, da Universidade Rutgers, nos Estados Unidos, co-autor do livro The Loss of Sadness. A única certeza é de quetristeza e alegria fazem parte de todas as nossas fases e merecem ser vivenciadas.

 

Maçã: aliada contra o acúmulo de gordura Pesquisa afirma que substância encontrada na casca da fruta pode afastar a obesidade

POR LEDIANE FILUS  BOA FORMA

Crédito: Thinkstock

Se você leu este artigo, já sabe que a maçã é amiga do coração, afastando o risco de doenças cardiovasculares. Mas uma nova pesquisa realizada pela Universidade de Iowa, nos Estados Unidos, faz um alerta importante sobre como se deve comer a fruta para aproveitar ao máximo todos os seus benefícios.

De acordo com os especialistas, que realizaram o estudo em junho de 2012, a casca da maçã também deve ser ingerida, pois ela ajuda no combate ao acúmulo de gordura. Isso é possível graças a uma substância chamada de ácido ursólico que está presente nela e que aumenta a quantidade de músculos e de gordura marrom, ambos tecidos que possuem a capacidade de queimar calorias.

A descoberta foi possível após submeter dois grupos de ratos a hábitos parecidos, exceto pelo consumo da casca da maçã. Aqueles que ingeriram essa parte da fruta tiveram um aumento de músculos e, consequentemente, da força e da resistência. Nesse grupo houve ainda um crescimento da gordura marrom que, assim como o tecido muscular, favorece o gasto calórico.

Por hora, é preciso analisar ainda se os benefícios se estendem aos seres humanos. Mesmo assim, parece que vale a pena comer a casca da maçã, mas desde que ela esteja bem higienizada, para evitar contaminações.

Saiba quais são os alimentos que enchem as mulheres de celulite

 

A celulite chega sempre de mansinho sem dar nenhuma pista. Primeiro aparecem nas pernas, depois no bumbum..

 

 

 

 

 

celulite chega sempre de mansinho sem dar nenhuma pista. Primeiro aparecem nas pernas, depois no bumbum e quando vemos já estão até mesmo em nossas barrigas. São elas os que fazem com as mulheres fiquem com a sua auto-estima lá em baixo, mas para que isso não ocorra com você veja quais os alimentos  que você tem que dizer não, entre eles estão: Legião Açucarada, fique longe do grupo dos doces, os quais são os mais gostosos, porém são esses os alimentos que aumentam o acúmulo de gordura. Isso ocorre porque o açúcar em excesso não é transformado em energia pelo nosso organismo e ele acaba sendo armazenado na forma de gordura, onde nas mulheres ocorrem mais nas peles; As Gorduras também são os alimentos que são os maiores causadores de celulite, pois são muito calóricos, entre as gorduras as que mais causam celulite estão o creme de leite, chantilly e as frituras; Circulação Sanguínea é outro fator que ajuda no aparecimento das celulites, entre os alimentos que prejudicam a circulação está o café, refrigerante e água com gás. Esses alimentos favorecem o inchaço e isso faz com que a irrigação dos tecidos seja totalmente prejudicada; O Sal é outro causador de celulite, entre os alimentos estão o sódio, sal de cozinha, caldos prontos, molho soyo e o leite. Além, desses alimentos, os quais são consumidos em excesso há também a influência das roupas apertadas e também a herança genética.

 

 

 

Os Benefícios da Canela.

Além de ser um alimento com ação antioxidante e antiinflamatória, a canela também possui uma ação antimicrobiana, promovida pelo óleo essencial existente em sua composição.

Para mostrar como é especial, este óleo também torna alguns medicamentos mais efetivos no combate de bactérias. Inclusive, atualmente a canela começa a ser pensada como uma possibilidade de conservação de alimentos, já que inibe o crescimento de diversas bactérias.

Outro benefício da canela é o auxílio do controle da glicemia em diabéticos ou em indivíduos com resistência à insulina, que possuem maior risco de se tornarem diabéticos, ou mesmo no controle da glicemia de indivíduos saudáveis mas que apresentam compulsão por doces.

Uma dica, seria adicionar a canela em pratos com alto teor de carboidratos, como, por exemplo, pães e massas pois ela diminui o tempo de esvaziamento gástrico, bem como da glicemia após ingestão de uma refeição..

Combinando todos estes benefícios, sabor e aroma que a canela pode trazer em nossa alimentação, esta especiaria pode e deve ser introduzida no dia-a-dia para auxiliar o bom desenvolvimento e funcionamento de nosso organismo!

Acrescente ao seu cardápio 1 colher de chá dessa maravilha de especiaria no seu dia a dia.

#FICA A DICA#

Goiaba, delícia antioxidante

goiaba

Predicados
A goiaba é uma fruta com muitas qualidades:
- deliciosa: seu sabor é marcante.
- saudável: fonte de fibras, vitaminas e minerais, mais fitoquímicos antioxidantes.
- versátil: ao natural como sobremesa de baixa caloria ou como um lanche a qualquer hora. Ela também acompanha o pão em forma de geleia ou o queijo na goiabada, o famoso Romeu e Julieta, um par perfeito.

Alimento funcional
A goiaba é muito rica em vitamina C com 230 mg por unidade (para efeito de comparação uma laranja contém 55 mg de vitamina C), e tem mais potássio do que a banana (420 mg contra 360 mg). Além disso, ela é fonte importante de licopeno, um carotenoide que ajuda na prevenção de câncer de mama e próstata, e tem ação antioxidante e anti-inflamatória.

Goiaba emagrece?
Na sua polpa e sementes a goiaba carrega uma grande quantidade de fibra solúvel e insolúvel, cinco gramas por unidade, o que confere saciedade e uma ação laxante natural. Ela ajuda a formar fezes consistentes e acelera o transito intestinal, e isto ajuda na perda de peso e na manutenção da saúde. E ainda tem mais, ela contém um baixo índice glicêmico e não faz pico de insulina, o que também contribui para detonar os quilinhos extras.

Goiaba “prende”?
Muitos acham que a goiaba “prende”. Esta confusão é devido ao fato de que o chá das folhas da goiabeira tem ação antidiarreica, sendo indicado no tratamento do intestino solto (diarreia). A fruta goiaba não prende o intestino, e sim melhora a sua função.

Quanto comer?
Porção: uma unidade ou um copo de suco de goiaba, três a quatro vezes por semana.
Procure alternar com outras frutas: abacaxi, ameixa, kiwi, laranja, maçã, mamão, maracujá, mirtilo, morango, nectarina, pera, pêssego, tangerina, uva. Consuma de preferência as frutas da estação frescas, mas a opção congelada (polpa) também vale.

 

 

 

 

 

 

 

Como evitar o consumismo entre as crianças

 Pela televisão ou Internet, as crianças estão sendo bombardeadas por mensagens que estimulam o consumo. Ana Maria Dias da Silva, psicóloga e coautora do livro A Criança e o Marketing (Ed. Summus), fala sobre a questão:

    Raiz do problema

Os pais que não conseguem dedicar tempo suficiente aos filhos se sentem culpados e, para compensar a ausência, satisfazem todas as vontades deles e os enchem de presentes e mimos. Assim, mostram que o consumo é um modo de vida.

Como ensinar a consumir

Para estimular o consumo consciente, deixe claro que possuir determinado produto implica avaliar o quanto aquilo é necessário naquele momento. Mais: ensine ao seu filho que para comprar qualquer coisa ele terá de abrir mão de outras. Assim, a criança aprende a ter senso crítico e a priorizar.

Dica legal: na hora de comprar um presente para o seu filho, pense também no que não tem valor material.

 

Consumismo infantil > Consumismo infantil

 

Qual o limite na hora de realizar o desejo dos filhos?

 

É tempo de presenteá-las. Aliás, nós adoramos isso. Nada melhor do que ver o sorriso de uma criança ao abrir um presente – principalmente quando é dado por nós. O Dia das Crianças faz a alegria de pais e filhos. Mas qual o limite na hora de realizar o desejo dos filhos? (Ou seria o seu próprio?).

 

Você já deve ter ouvido falar em Suri Cruise, a herdeira do casal de atores Tom Cruise e Katie Holmes. Ela é o ícone infantil fashion do momento – é sério. Suri tem apenas quatro anos e, num passeio ao Museu de Arte de Los Angeles, usava um modelito era um vestido de Ralph Lauren. Isso mesmo! O estilista não perdeu tempo: tratou de enviar um comunicado à imprensa, avisando que era o responsável pelo visual da pequenina. Achou um exagero? Pois é.

 

Cada vez mais os nossos pequeninos estão ditando as relações de consumo no mundo. Não é raro vermos menininhas maquiadas, com celular ou notebook, usando roupas de grife ou que frequentam salão de beleza e academia. Os meninos não ficam atrás. A metralhadora midiática dispara e acerta bem no alvo: crianças nunca estiveram tão bem informadas quanto aos lançamentos e tendências de brinquedos, roupas, tênis e afins. Mirar na garotada é importante porque, impactadas precocemente, as crianças tendem a ser, no futuro, mais fiéis às marcas e ao próprio hábito consumista que lhes é imposto.

 

A responsabilidade da mídia

 

A TV é a principal ferramenta do mercado para a persuasão do público infantil que, cada vez mais cedo, é chamado a participar do universo adulto. Mas encurtar a infância não é nada legal. "Esse é um período fundamental para a formação de hábitos e para o desenvolvimento psicológico, cognitivo e social. Até os dez ou 12 anos, a criança está se descobrindo, conhecendo o mundo. Pular essa etapa pode ser desastroso, pois meninas e meninos que deveriam brincar acabam tendo preocupações que estão ligadas à outra fase da vida", diz Lais Fontenelle, coordenadora de Educação e Pesquisa do Projeto Criança e Consumo, do Instituto Alana.

 

 

 

A mídia se vale da facilidade em falar com uma criança. Elas conseguem tudo com jeitinho e escolhem o que seus pais levam para casa, mesmo sem ter o cartão de crédito nas mãos. Uma pesquisa da TNS/InterScience, instituto de pesquisa que atua em mais de 70 países, identificou que as crianças influenciam em até 80% as decisões de compra de uma família. "Muitas vezes a publicidade dirigida ao público infantil não se refere a produtos para essa faixa de idade. Existem campanhas de carros, celulares, produtos de limpeza que têm claramente um apelo para as crianças", alerta Lais.

Publicidade no Brasil

 

No Brasil, 83% dos consumidores mirins são influenciados pela publicidade, 72% por produtos com personagens famosos, 42% pelos amigos, 38% por brindes e jogos e 35% por embalagens coloridas e atrativas. Das prateleiras do supermercado até as conversas no recreio da escola, não há para onde fugir. "O mercado utiliza o conceito da identificação para atrair a atenção das crianças. Isso é feito com o uso de cores vibrantes, músicas infantis, com a criação de um universo lúdico", conta Lais Fontenelle.

Temos 35 milhões de crianças até dez anos de idade, alimentando um mercado que já movimenta cerca de 50 bilhões de reais, segundo informações do Instituto Alana. Para manter esse público alvo tão bem informado, só em 2006 foram investidos 209,7 milhões de reais em publicidade de produtos infantis no Brasil. Pudera: dados do Painel Nacional de Televisores do Ibope 2007 confirmam que a criança brasileira, entre quatro e 11 anos, passa, em média, quase cinco horas por dia em frente à telinha. Alvo fácil, não?

A publicidade faz acreditar que é preciso adquirir o que, muitas vezes, não é necessário. "Tudo isso vem do desejo de ter ao invés de ser. Valorizam mais as pessoas pelo que elas têm do que pelo que elas são, invertendo os valores que nos constituem como seres humanos", alerta a psicóloga Ana Lúcia Oliveira.

Lais Fontenelle garante que as crianças não têm muito discernimento sobre o assunto. "Até os 12 anos, elas ainda estão se desenvolvendo e não têm condições de fazer uma reflexão sobre esse cenário. São literalmente vítimas das bases de funcionamento da sociedade, em que há a valorização da competição, do materialismo e do dinheiro".

 

Como mudar de vida e acabar de vez com o estresse

 

Como mudar de vida e acabar de vez com o estresse

O estresse e a má alimentação estão totalmente ligados, pois os maus hábitos alimentares como: açúcar em excesso, o qual obriga o pâncreas a secretar mais insulina do que o normal e isso em excesso acaba retirando mais açúcar do sangue do que deveria o que é totalmente prejudicial ao cérebro, ingestão de cafeína que em primeiro momento excita e logo depois causa cansaço em excesso e sal em excesso podem agravar e levar o organismo ao estresse. A má alimentação faz com que o corpo fique vulnerável as doenças provocadas pelo estresse que são: gastrite, hipertensão, doenças dermatologias e até mesmo a simples gripe. Então, uma alimentação equilibrada e saudável pode ser a terapia para esse transtorno que ocorre principalmente nas mulheres. Quando o nosso corpo enfrenta situações de estresse ele consome tudo que o nosso corpo guardou na reserva como: magnésio, cálcio, ferro e vitaminas. Mas, não é somente importante ter uma boa alimentação e sim realizar exercícios físicos, ter momentos de relaxamento durante o dia-a-dia e saber levar a vida de uma maneira bem mais calma, afinal algumas coisas não são do jeito que nos queremos que fossem.

Como Importar Roupas

 .

       ALIMENTOS 

   Descubra as diferenças entre os alimentos orgânicos e os   tradicionais

  Recente estudo americano aponta que os alimentos orgânicos não seriam  mais

nutritivos do que os convencionais. Mas será que esse dado é tão relevante

assim? Descubra o que dizem os especialistas e faça sua escolha

 

Depois de revisar nada menos do que 237 pesquisas, estudiosos da Uni

versidade Stanford, nos Estados Unidos, concluíram que desembolsar uma grana extra para ter alimentos orgânicos na despensa pode não valer a pena. É que eles não identificaram, na maioria dos casos, diferenças significativas na concentração de vitaminas e afins.

O que é um alimento orgânico?

"É aquele produzido sem o uso de agrotóxicos, adubos químicos sintéticos, sementes transgênicas e drogas veterinárias", define a nutricionista Elaine de Azevedo, da UFGD. Já os itens processados não recebem aditivos químicos nem irradiação.Os vegetais orgânicos também devem passar por uma higienização, porque não estão livres do contato com bactérias e fungos

ORGÂNICOS X TRADICIONAIS

Quantidade de nutrientes

Nesse quesito não são esperadas grandes variações. Ponto para os dois tipos de alimentos.

Segurança alimentar

Vegetais orgânicos são cultivados sem agrotóxicos nem adubos químicos sintéticos. Por isso, são mais confiáveis. Ponto para os orgânicos!

Fitoquímicos

A ausência de pesticidas leva a uma maior formação desses compostos com ação antioxidante nos orgânicos. Ponto para os orgânicos!

Preço e disponibilidade

Os alimentos orgânicos ainda são mais caros do que os tradicionais. Além disso, não se encontram em todos os supermercados. Ponto para os tradicionais!

Preservação do meio ambiente

Os agrotóxicos contribuem para a contaminação do solo, da água e do ar. Ponto para os orgânicos!

Hora da limpeza - Veja como lavar corretamente frutas e verduras!  

É fundamental higienizar os alimentos antes do consumo

 Especialmente se eles receberam agrotóxicos durante o cultivo

1. Água neles!

Comece lavando muito bem os vegetais em água corrente. Depois, deixe-os de molho por cerca de 30 minutos. Não há necessidade de recorrer à água sanitária ou às soluções com cloro nessa etapa.

2. Casca dura

Misture gotas de detergente neutro à água para esfregar itens de casca grossa, a exemplo de laranja, melão e abacate. É só passar o líquido no fruto com uma esponja macia.

3. Atenção às folhas

Antes de dar um banho nelas, livre-se das mais externas. Como elas ficam em contato direto com o solo, concentram uma quantidade maior de agrotóxicos.

 

4

..

Aprenda a driblar a vontade de comer alimentos calóricos como chocolate na TPM

Banana, abacate e fibras são alguns dos alimentos que ajudam

por Redação

Aprenda a driblar a vontade de comer alimentos calóricos como chocolate na TPM title=Foto: shutterstock
 
 

Além de sensibilidade e mau humor extras, a temida tensão pré-menstrual aumenta a compulsão por comer doces. Acredite, a oscilação hormonal que seu corpo sofre não é apenas uma desculpa para devorar aquela barra de chocolates que você resistiu firmemente até o primeiro dia de TPM. “Nesse período, a elevação dos níveis de progesterona e a queda nas taxas de estrogênios no organismo e a diminuição da serotonina, hormônio da felicidade, levam a mulher a buscar, no açúcar, uma fonte a mais de prazer”, explica a nutricionista Dani Campi, da Clinica Masci, em São Paulo.

 

Quem leva uma rotina estressante pode sofrer ainda mais com esse desejo incontrolável de comer doces. “O estresse aumenta a formação de cortisol no sangue. O que também prejudica a produção adequada de serotonina”, afirma Campi.

 

Ainda que pareça uma guerra perdida, já que o seu organismo é o responsável pela farra calórica pré-menstrual, existem formas de driblar a loucura por açúcar. “Uma dieta rica em carboidratos complexos, como frutas, legumes e massas integrais, ajuda a manter os níveis de glicose no sangue, uma vez que possuem digestão mais demorada, se compararmos a uma alimentação rica em carboidratos simples, como massas refinadas, doces, pães e derivados”, indica a receita. Anote também outras dicas valiosas elaboradas pela nutricionista. “O importante é driblar essa vontade, enganando nosso cérebro com uma hábito saudável e com uma alimentação rica em nutrientes”, garante.

 

Coma banana
“A fruta é rica em triptofano, precursor da serotonina, o hormônio da felicidade. Além disso, é bem mais saudável e nutritiva que uma barra de chocolate.”

 

Doce abacate
“A gordura insaturada, presente em abundância no abacate, ajuda a diminuir o cortisol no sangue. Um ponto a menos para o estresse.”

 

Gordura amiga
“Apesar de um pouco calóricas, as oleaginosas como, nozes, castanhas e amêndoas, são ricas em vitaminas e minerais e ajudam a driblar os sintomas da TPM. Com moderação, saciam e substituem as sobremesas açucaradas.”

 

Aposte nas fibras
“O sabor doce e as fibras das frutas secas ajudam a aliviar a vontade de abusar de doces.”

 

Receita indispensável
“Não é frescura: alimentar-se a cada três horas é muito importante para manter as taxas de açúcar no sangue. Uma rotina de exercício físico também é um auxílio no combate ao consumo de açúcar, já que aumenta a produção de serotonina, dando a sensação de bem estar.”

 

Cansaço excessivo pode ser um sinal de doenças

ROBERTO NAVARRO

Nutrologia


Ela pode chegar de mansinho, se instalando vagarosamente, uma sensação de fadiga, moleza e falta energia, até mesmo para executar as pequenas atividades cotidianas. Mas será que é isso normal? Com a correria do dia a dia muitos atribuem essa sensação de cansaço extremo a noites mal dormidas e ao estresse, situações de desânimo que geram um impacto profundo nas atividades sociais e na produtividade profissional, tornando-se hoje uma das principais queixas dos consultórios médicos. 
 

A severidade dessa sensação de cansaço e fadiga pode e deve ser avaliada por uma escala de sinais, pois uma noite mal dormida, horas enfrentando o trânsito das grandes capitais ou ainda viver em eterno estado de tensão e estresse podem sugar sua energia. No entanto, existem outros fatores que podem e devem ser considerados, como os desequilíbrios clínicos decorrentes de carências nutricionais, desequilíbrios hormonais, infecções e doenças autoimunes. Vamos falar sobre os principais fatores que podem causar o cansaço excessivo:

Desequilíbrios hormonais

O declínio hormonal pode ocorrer em ambos os sexos, sendo um fator mais comum para as mulheres no período próximo ao climatério, e entre os 50 e 60 anos para o homem. O declínio hormonal é fisiológico, e não uma doença, mas quando a queda é acentuada pode gerar sintomas desagradáveis, dentre eles a sensação de fadiga e o cansaço.

Uma das hipóteses estudadas associa a sensação de cansaço permanente a uma queda de atividade dos neurotransmissores, como serotonina, dopamina e noradrenalina, indicando que o declínio hormonal pode ter ligação direta com a falta de energia e a sensação de fadiga. Nesse caso, é indicada a reposição hormonal, para reequilibrar o correto funcionamento do sistema nervoso central.

A baixa produção ou a falta de hormônios tireoidianos, por exemplo, pode agravar a sensação da falta de energia e causar sintomas de depressão, sendo portanto fundamental que o médico analise também os hormônios tireoidianos para buscar as causas da fadiga.

Alguns estudos, ainda não aceitos por toda a classe médica, propõem a reposição desses hormônios em pacientes com hipotireoidismo sub-clínico (quando os níveis hormonais estão apenas um pouco abaixo do limite ou no limite) e que apresentem quadro de cansaço excessivo, queda de cabelo e outros sintomas que tirem a qualidade de vida do paciente, melhorando assim a volta às atividades habituais do dia a dia com energia e disposição revigoradas.

Alimentos que ajudam na produção de hormônios tireoidianos (Iodo e Selênio) são indicados como coadjuvantes. Boas fontes de selênio são as oleaginosas (castanhas do Pará, castanha de caju e etc) e boas fontes de iodo são o sal marinho (evite excesso), peixes e algas marinhas.

Anemia

Muitas doenças hoje são ocasionadas por desequilíbrios alimentares, e esse é o caso do desenvolvimento da anemia ferropriva, situação muito associada à queda de energia e disposição física. Isso acontece pois o ferro é um nutriente essencial ao organismo, responsável pela produção de glóbulos vermelhos e transporte de oxigênio. A deficiência de ferro surge principalmente por carência nutricional, infecções intestinais, menstruação com fluxo sanguíneo muito intenso e durante a gravidez - mas qualquer pessoa pode desenvolver anemia, se não receber o aporte correto na dieta ou tiver problemas de absorção.

O tratamento contra a anemia é determinar sua causa e corrigi-la, uma vez constatada por exames laboratoriais, e nesses casos a recomendação é uma dieta rica no nutriente, que é encontrado principalmente na carne vermelha, em verduras verde escuras, leguminosas e alimentos enriquecidos, que ajudarão a suprir as necessidades diárias de ferro.

Déficit vitamina D

Estudos atuais revelam que a baixa dosagem de vitamina D no sangue é uma das prováveis causas do cansaço excessivo e sensação de desânimo. A dosagem de vitamina D no sangue é feita em laboratório e deve ficar acima de 30 mg/dl. Expor-se mais ao sol, mas sem exagero, e aumentar a ingestão de alimentos ricos em vitamina D, como a sardinha, é uma das estratégias de combate ao cansaço.

Dietas restritivas

Eliminar de maneira radical grande quantidade de alimentos ou fazer dietas da moda que cortam de maneira exagerada certos grupos alimentares podem gerar déficits nutricionais, pela dificuldade de conseguir obter por meio da alimentação nutrientes importantes para o organismo. O carboidrato, por exemplo, nos dá

glicose, que é um combustível importante para o corpo e sem ele a sensação de esgotamento é mais frequente, tornando as queixas de cansaço e falta de energia mais comuns após as duas primeiras semanas de restrição.

O tratamento consiste em uma dieta equilibrada, que privilegie os bons carboidratos, boas proteínas e boas gorduras, além de combinar bons nutrientes, como os alimentos ricos em vitaminas do complexo B, que aumentam a resistência à fadiga.

Estresse e ansiedade

A ansiedade e o estresse são sem sombra de dúvidas males da vida moderna e a queixa mais frequente é a de acordar cansado. Isso ocorre porque o estresse libera quantidades altas de cortisol e adrenalina, hormônios que em altas doses prejudicam o funcionamento dos neurotransmissores, deixando os indivíduos ansiosos, com dificuldade de concentração e no sono. O tratamento nesse caso é praticar uma atividade física prazerosa, que alivie as tensões, e em casos extremos a recomendação é a de uso de medicamentos.

Como vão as suas oito saúdes?

Especialistas dão dicas para manter em dia as áreas essenciais da vida: física, espiritual, intelectual, familiar, profissional, financeira, social e ecológica

 IG -São Paulo

 

"Saúde para dar e vender". Mesmo o verso da mais popular canção de fim de ano vem precedido dos desejos de "muito dinheiro no bolso". Saúde é importante, mas não é só da saúde física que precisamos na vida. O especialista Rodrigo Fonseca ministra treinamentos sobre inteligência emocional há 15 anos e adota um conceito que define oito saúdes em diferentes áreas-chave: física, espiritual, intelectual, familiar, profissional, financeira, social e ecológica.

 

Getty Images
Equilibrar todas as áreas essenciais da vida é o objetivo do método das oito saúdes

 

Segundo ele, essa é uma maneira de ter uma visão global mais clara da própria vida. “Assim é possível visualizar o que pode ser melhorado. Faça uma reflexão e dê notas de zero a dez para cada saúde. A ideia é ver a vida como uma roda. Se o resultado for uma figura pontiaguda, ela não gira direito”, analisa.

Para o especialista, as saúdes mais negligenciadas costumam ser a familiar, a social e a ecológica: “Hoje em dia temos que cuidar do desperdício de água e das emissões de carbono. A saúde social nada mais é do que ajudar o outro sem querer nada em troca. E a saúde familiar anda descuidada porque fica cada um na sala vendo tv, ou com seus laptops e smartphones. Falta atenção e reconhecimento. O ser humano existe em função disso”.

Cada saúde tem seus sinais de alerta. Veja abaixo quais são e como você pode agir para equilibrá-la novamente e fazer sua roda girar.

1. Saúde física – “Quem não se alimenta bem e não se exercita fica em uma angústia danada ou explode de bobeira”, diz Rodrigo. Busque atividades que lembrem o que lhe dava prazer na infância. Para Saulo Batista, coordenador técnico do Studio Jungle Brazil, isso funciona porque a atividade física está ligada ao lado emocional: “Corrida com obstáculos remete a brincar de pique. Sei de gente que voltou a andar de patins e tenho alunos que praticam slackline [atividade na qual uma pessoa anda sobre uma fita estendida entre duas árvores], exercício que requer muita concentração e equilíbrio”.

 

 

Getty Images
A espiritualidade, em qualquer manifestação, é uma das áreas a ser cuidada

 

2. Saúde espiritual – Quando a ansiedade se torna uma presença constante, pode ser que a sua saúde espiritual esteja cobrando um pouco mais de atenção. “Vivemos em um ritmo tão corrido, que é comum as pessoas recorrerem à espiritualidade apenas quando estão vivendo alguma situação de crise. Por que não gastar algum tempo com isso todos os dias? Independentemente de suas crenças religiosas ou espirituais, você pode exercitar a fé e realizar algum tipo de meditação”, sugere Karyne M. Lira Correia, mestre em psicologia e consultora em desenvolvimento profissional.

3. Saúde intelectual – Sem novas ideias, sempre cansado, sem disposição para ler ou para se concentrar em atividades rotineiras? “Para reequilibrar essa área é simples: mantenha-se informado. Adquira o hábito da leitura e procure coisas novas, que te deem motivação e estímulo”, aponta Elisa Meireles Andrade, coordenadora do curso de Psicologia na Anhanguera UNIBAN.

4. Saúde financeira – Um sinal de que essa área não vai bem é comprar algo e logo em seguida enfrentar o temor sobre como se vai pagar. Fábio Gallo, professor de finanças da PUC/SP e da FGV/SP, avalia que o objetivo de poupar é estar preparado para uma emergência, para a aposentadoria e consumir com prazer - ou seja, sem preocupações quanto ao pagamento. O nível de economia varia de acordo com o estilo de vida e a renda de cada um. Como um bom investimento para este ano, Fábio sugere os títulos do Tesouro Nacional do tipo NTN-B, que são uma opção mais conservadora e oferecem rendimentos de 3% a 4% ao ano mais a inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) e nos quais se pode investir a partir de R$ 200.

 

5. Saúde familiar – Se o diálogo entre pais e filhos acontece mais por e-mail do que no olho no olho, o relacionamento familiar dá sinais de desgaste. Para recuperar os laços e os valores familiares é preciso uma aproximação gradativa. “Comece a organizar coisas pra fazerem juntos. Peça a opinião do outro. Dê um ‘bom dia’. Se coloque à disposição para conversar. Faça um carinho despretensioso, sem caracterizar algo artificial” sugere Priscila Recco, coach e especialista em Programação Neurolinguística.

 

Getty Images
Saúde familiar: convívio em harmonia

 

6. Saúde profissional – Quem não vê mais desafios ou fica indiferente às mudanças que surgem no trabalho deve ficar atento. A tendência, segundo a coaching executiva Daniela do Lago, é que se culpe o trabalho quando o desconforto pode ser reflexo de problemas em outra saúde. Alguém que não sabe administrar o salário, por exemplo, pode achar que é o trabalho que não paga bem. “Quanto mais você puder alinhar a sua missão no trabalho com os seus talentos, melhor. Seja proativo e busque o que for melhor para você, seja em condições de trabalho, seja quanto à satisfação pessoal”.

 

7. Saúde social – Independência em excesso pode virar solidão. “O indivíduo bem integrado, com uma rede ampla de contatos sociais, adoece menos”, analisa a psicóloga Heloísa Fleury. Para reequilibrar esse setor, interesse-se mais pelas pessoas para preservar as amizades e ter relacionamentos mais verdadeiros. “Pertencer a um grupo, a uma comunidade, é ter responsabilidade social. O trabalho voluntário é uma forma de colaborar”, sugere ela.

8. Saúde ecológica – Se você não lembra quando foi a última vez em que dispensou a sacolinha plástica no supermercado, preste atenção. Esta saúde pode estar sendo negligenciada. Desenvolver a saúde ecológica é questão de prática e envolve o questionamento se realmente precisamos de algo e qual a sua origem. “Se eu vou comprar determinado alimento e ele é produzido a 50 quilômetros da minha cidade, terá um impacto menor de que um que venha de 500 quilômetros de distância porque estarei mobilizando menos recursos para obtê-lo”, exemplifica Flávio de Sousa, coordenador do curso de ciências biológicas do Centro Universitário de Brasília (UDF).

 

http://www.classificados.com.br/

 

Farinha branca traz riscos de obesidade, diabetes e doenças crônicas

Ela está presente, principalmente, em pães brancos, bolos e bolachas

por Ana Flora Toledo

 

Farinha branca traz riscos de obesidade, diabetes e doenças crônicas title=
 
 

Pão, bolo, bolacha, macarrão, pizza e torta são comidas deliciosas e diferentes uma da outra quanto ao modo de preparo. Contudo, têm um ingrediente em comum em sua composição: a farinha branca. Essa simples semelhança os torna um perigo para a saúde, já que a substância engorda e traz riscos deobesidade, compulsão alimentar, diabetes e doenças crônicas, além de prejudicar o funcionamento do intestino.


“A farinha branca é um ingrediente pobre em nutrientes e de alto índice glicêmico. Tem ação semelhante ao açúcar no organismo, aumentando a taxa de glicose no sangue e, por isso, o consumo em excesso está associado ao aumento de triglicérides e incidência de diabetes, obesidade e doenças crônicas”, alerta a nutricionista Cintya Bassi, que explica o que acontece. “O que torna a farinha de trigo maléfica a saúde é o processo de refinamento, que separa do trigo a casca e o gérmen, mantendo apenas o endosperma do grão que depois é moído. Nesse processo retira-se grande parte das propriedades nutricionais do alimento”.

Créditos: Shutterstock

Pão francês leva farinha branca (Créditos: Shutterstock)

Faltam fibras – Esse é um dos principais problemas: o processo de refino da farinha de trigo em farinha branca reduz 80% da quantidade de fibras, o que a torna muito pobre nesse quesito. “As fibras alimentares estão entre os principais fatores da alimentação na prevenção de doenças crônicas, além de melhorar o controle dediabetes mellitus, reduzir o risco de câncer e regularizar o funcionamento intestinal”, comenta a especialista. Ausência de fibras pode ocasionar constipação e desordens intestinais, daí a importância do consumo!

Gera compulsão alimentar – Esse problema pode acontecer porque os alimentos com farinha branca não promovem saciedade. “Com a mesma rapidez com que o açúcar se eleva no sangue e aumenta os níveis de serotonina, hormônio ligado a sensação de bem estar, ele também baixa, podendo gerar em um curto período de tempo, uma necessidade de consumir mais do alimento”.

Farinha Branca x Farinha Integral

Em geral possuem valor calórico semelhante, porém, os produtos preparados com a farinha de trigo branca (refinada) não apresentam os mesmos benefícios para a saúde que aqueles preparados com farinha integral. O trigo não refinado preserva parte da casca do cereal e também o gérmen, onde se encontram os principais nutrientes, como fibras, vitaminas e minerais.

Portanto, a farinha integral mantém em sua composição as fibras e alguns nutrientes que não contém na farinha branca, como magnésio, zinco, selênio e vitaminas B1 e B6. Em contrapartida, a durabilidade do produto integral é menor e a textura e cor diferentes, sendo o grão mais endurecido e de coloração escura.

Como consumir

Não é necessário eliminar completamente da dieta os alimentos preparados com farinha branca, mas é essencial limitar a ingestão e substituir, sempre que possível, pela forma integral, que é muito mais saudável. A atenção deve ser redobrada para diabéticos – devido ao aumento da glicemia – e os celíacos – por conter glúten na farinha branca. Pessoas com elevação nos níveis de triglicérides e colesterol também devem moderar.

Créditos: Shutterstock

Dê preferência aos alimentos com farinha integral, geralmente de cor mais escura (Créditos: Shutterstock)

Como comprar alimento integral

“Infelizmente a falta de regulamentação sobre alimentos integrais ainda ocasiona em falhas e fraudes nos produtos. Além disso, a indústria opta por utilizar a farinha branca misturada à integral para aumentar o prazo de validade e melhorar a aparência do produto”, lamenta a nutricionista Cintya Bassi.

Ao comprar um produto integral é importante olhar no rótulo para entender os valores nutricionais. Se, entre os ingredientes, a farinha integral aparecer em primeiro lugar, é um bom sinal, pois os alimentos que aparecem na frente são os que estão presentes em maior quantidade no alimento.

Repare também na quantidade de fibras do alimento, já que produtos integrais devem conter maior quantidade desse nutriente. “Para reforçar a classificação, uma organização internacional chamada Whole Grains Council criou um selo para identificar produtos com quantidade de grãos integrais superior a 51% em sua composição e algumas marcas brasileiras possuem o selo”, indica a profissional.

Glossário da dieta ajuda a colher resultados

Com o dicionário da dieta, você descobre o que precisa fazer para que tudo dê  certo

 

 

 

Calorias? Fibras? Índice Glicêmico?Quando estamos de dieta, até o nosso vocabulário muda. Mas, muitas vezes, não entendemos o que realmente significa cada termo que encontramos pela frente.

Porém, saber o que eles representam, pode ajudar a sua dieta a ser mais bem sucedida. Assim você não terá mais desculpas para começar sua reeducação alimentar. Mas, para colher os resultados, lembre-se que, conforme sexo, idade, estatura, peso e nível de atividade física, você deve seguir um cardápio especialmente voltado para o seu perfil. Cada pessoa, de acordo com suas características particulares, apresenta uma determinada quantidade calórica para manter o peso. A seguir, entenda o Be-a-bá da alimentação: 

 

 

 

 

 

 

  

Açúcar

Otipo refinado é o vilão da dieta, pois esse processo de refinamento faz com que ele perca todas as vitaminas. Esse tipo de açúcar cai rapidamente na corrente sanguínea e eleva o nível de glicose do sangue. Porém, outras duas opções de açúcar são um pouco mais saudáveis. "Oaçúcar mascavo é muito nutritivo, já que não passa por todas as etapas de refinamento e conserva parte do cálcio, ferro, das proteínas e vitaminas B1 e B2. Já o açúcar orgânico possui propriedades semelhantes às do mascavo porque ele não sofre refinamento, além disso, não são usados agrotóxicos no plantio da cana?" esclarece a nutricionista e especialista do Minha Vida, Daniela Hueb.

 

Adoçante

Conhecidos também por edulcorantes, os adoçantes podem ser naturais (sacarose, frutose, polióis e stevia) ou sintéticos (sacarina, ciclamato, aspartamo e sucralose). Além disso, são classificados como nutritivos, isto é, calóricos, como a sacarose, a frutose, os polióis e o aspartamo, e não-nutritivos, ou seja, isentos de calorias, como a sacarina, o ciclamato, o stevia e a sucralose. Em todos os casos, o objetivo principal de um adoçante é adoçar os alimentos e, ao mesmo tempo, apresentar um sabor semelhante ao da sacarose, o nosso açúcar comum. 

 

 

         Alimentos funcionais

São aqueles que, aliados a dieta equilibrada e ajustada à necessidade de cada indivíduo, têm componentes benéficos para o corpo, capazes de reduzir o risco de algumas doenças, melhorando os mecanismos de defesa imunológica, prevenindo disfunções, melhorando as condições físicas e mentais e, ainda retardando o processo de envelhecimento. De acordo com o nutrólogo Edson Credidio, da Unicamp, os alimentos funcionais são divididos em quatro grupos: 

- Alimentos que apresentam benefícios em relação a outros similares, por exemplo, hortaliças obtidas através de técnicas adequadas de cultivo; 
- Alimentos processados que tenham sofrido algum tipo de modificação, como por exemplo, o teor reduzido de gordura ou enriquecimento com antioxidantes; 
- Ingredientes especificamente incorporados a alimentos, como fibras e probióticos, ou seja, alimentos ricos em organismos vivos, como o iogurte. 
- Novos alimentos produzidos por biotecnologia ou métodos diferenciados, como exemplo : alimento enriquecido com Omega 3 ou cereais matinais enriquecidos com aveia ou fibras solúveis.

São exemplos de alimentos funcionais: alho, chá verde, azeite de oliva, peixe, soja, uva, castanha do Pará, linhaça, amêndoas e leite.  

Antioxidantes

Os antioxidantes neutralizam a ação dos radicais livres, substâncias formadas pelo nosso próprio organismo e altamente reativas. Os radicais livres são responsáveis pela oxidação (ou degradação) das células do nosso corpo. "Esses radicais são úteis ao organismo, mas, em excesso, podem prejudicá-lo, através do depósito de colesterol nas paredes dos vasos sanguíneos, do enrijecimento das células e da anulação de algumas enzimas", ensina a nutricionista Roberta Stella, do Dieta e Saúde. Um cardápio diário rico em frutas, verduras, legumes e cereais integrais é a receita ideal. (Conheça aqui uma turma poderosa de antioxidantes)

.

Caloria (Valor energético)

"Caloria é uma forma de medida que representa a energia dos nutrientes contidos nos alimentos. Usando termos mais específicos, uma caloria é a quantidade de energia necessária para aumentar a temperatura de 1 litro de água em 1 grau Celsius. É por este motivo que, em nutrição, ela é chamada de quilocaloria. Isso também explica a abreviação Kcal, sempre vista nos rótulos dos alimentos e nas receitas", esclarece Roberta Stella. 

Carboidrato

Melhor fonte de energia pra o organismo, o ideal é que de toda a quantidade de calorias ingeridas no dia, de 50 a 60% venha dos carboidratos. Ao eliminar de vez o macronutriente da alimentação, sintomas como dor de cabeça, irritação, halitose, cansaço físico e mental podem aparecer. Os carboidratos são divididos em dois grupos: os complexos e os simples. 

Carboidrato complexo

Garantem uma saciedade prolongada por terem digestão mais lenta. Encontrados nos cereais, arroz, pães e massas integrais e castanhas, eles são ainda mais eficientes quando obtidos pela versão integral, pois as fibras colaboram para que o estômago demore mais tempo para pedir comida. 

Carboidrato simples

Encontrados nos doces, pães, pizzas e massas à base de trigo refinado, no leite e nas frutas, têm um teor maior de glicose e, por isso, são digeridos mais rápido. Isso quer dizer que, depois de se deliciar com algum alimento rico em carboidratos simples, você não demora muito tempo a sentir fome novamente. As frutas, por também serem ricas em vitaminas, fibras e sais minerais, são as melhores opções para obter essa variação do nutriente. 

 

Colesterol

Quimicamente, o colesterol é um álcool, mas ele só consegue circular pelo corpo grudado em moléculas chamadas lipoproteínas. O colesterol pode ser de dois tipos: LDL, o famoso mau colesterol, que tem baixos níveis protéicos, e o HDL, com grande quantidade de proteína, conhecido como bom colesterol por ser responsável por eliminar o excesso de LDL do sangue. Alimentos de origem vegetal não contêm colesterol e os alimentos ricos em gordura saturada (carne vermelha, queijos amarelos, ovos, doces e frituras) são os maiores responsáveis por altos índices no organismo. 

Quando há muito colesterol no sangue, ele se acumula nas paredes das artérias, levando à aterosclerose. As artérias ficam mais estreitas e o fluxo sanguíneo para o coração é bloqueado ou reduzido, impedindo a passagem de oxigênio para o coração, o que pode levar a um ataque cardíaco. Por isso, uma dieta saudável é muito importante para a manutenção da saúde. Alimentos como feijão, nozes, legumes e verduras apresentam um óleo vegetal rico em fitoesteróis, substâncias que ajudam a reduzir os níveis de colesterol ruim no organismo. 

Diet

Os alimentos considerados diet são aqueles em que um dos componentes nutricionais (açúcar, sal, proteínas ou gorduras) existentes no produto original foi retirado. O produto diet pode ter 0% de açúcar, mas continuar tendo o mesmo número de quilocalorias que o tradicional. São indicados para pessoas que têm restrições alimentares a alguma substância específica.

Digestão

Trata-se do conjunto das transformações, mecânicas e químicas, que os alimentos sofrem ao longo de um sistema digestivo, para se converterem em compostos menores que serão absorvidos pelo organismo. O organismo leva, em média, quatro horas para fazer a digestão dos alimentos. Alimentos mal digeridos vão se acumulando e se transformando em gordura. As gorduras são os nutrientes com maior dificuldade de digestão e que, de maneira geral, alimentos ricos em carboidratos, como arroz, massas, pães, frutas e legumes, são digeridos mais facilmente.(Conheça alguns hábitos que favorecem a digestão)

Fibras

Há dois tipos de fibras, insolúveis e solúveis. O primeiro grupo contém fibras que não são absorvidas pelo organismo e, por isso, aumentam a sensação de saciedade e também o volume das fezes, facilitando a sua eliminação. Nesse processo, levam junto substâncias tóxicas e cancerígenas, deixando o organismo mais protegido contra tumores no intestino e no cólon. 

Já as fibras solúveis, se ligam a água e formam uma espécie de gel no intestino, por isso, é recomendado beber bastante água para que elas façam efeito, já que esse gel protege contra úlcera e gastrite por reduzir os níveis de gastrina, um dos hormônios causadores da acidez estomacal. A nutricionista Roberta Stella afirma que de 20 a 30 gramas de qualquer um dos tipos de fibras já garante benefícios para o organismo. Por isso, inclua mais verduras, legumes, frutas, trigo, arroz e pães integrais no seu cardápio diário. 

Glúten

É uma proteína encontrada em quatro tipos de alimentos: o trigo, a cevada (incluindo o malte, subproduto da cevada), a aveia e o centeio. Qualquer receita ou produto alimentar que apresenta, na composição, um desses alimentos, vai possuir o glúten mesmo que em pequenas quantidades. Para algumas pessoas, a ingestão de glúten provoca danos na parede do intestino delgado, o que acarreta prejuízos para a saúde e pode ocasionar a doença celíaca.  

 

Gorduras saturadas

São basicamente gorduras animais, que provêm de carnes, lácteos e outros. Este tipo de gordura tende a aumentar tanto o colesterol bom como mal e por isso são para doenças cardiovasculares. "O consumo diário desse nutriente deve se restringir a 7% das calorias totais da dieta", diz Roberta Stella. (Conheça os alimentos que ajudam a desintoxicar o organismo)

 

 

Gorduras insaturadas

São consideradas "boas", uma vez que melhoram os níveis de colesterol no sangue. Estão presentes principalmente em fontes vegetais como azeites de girassol, soja, milho, azeites de oliva, amendoim, amêndoas, abacate e peixes. Esse tipo de gordura se divide em dois grupos, as monoinsaturadas - abacate, óleo de canola, azeite de oliva, óleo de gergelim -, que fornecem energia e diminuem os níveis de colesterol ruim no sangue e as poliinsaturadas, compostas pelos famosos ômega-3 e ômega-6 - peixes, soja, óleo de peixe e grãos -. Esse grupo ajuda também a reduzir os níveis de colesterol e dificulta a formação de coágulos nas artérias. 

Gordura Trans

Pior tipo de gordura existente ela é originária da gordura vegetal, porém, para dar sabor, forma e textura aos alimentos industrializados, passa por um processo denominado hidrogenação. Assim a gordura que era líquida e insaturada fica sólida e saturada, trazendo riscos quando consumida em grandes quantidades. "Ainda não existe uma recomendação de quantidade de gordura trans para a dieta, mas sugerimos o consumo de, no máximo, 2 gramas por dia" , afirma Roberta. Bolos e tortas industrializadas, biscoitos salgados, biscoitos recheados, pratos congelados, sorvetes cremosos e margarinas incluem essa gordura em suas receitas. 

Indice glicêmico (IG)

Ele mede a velocidade com que os níveis de insulina aumentam em resposta à rapidez com que a glicose entra na corrente sanguínea. Grande parte dos alimentos, em especial os carboidratos, é transformada em glicose (daí o glicêmico) no organismo. A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é que transporta a glicose pelo sangue até as células e mantém os níveis de açúcar estáveis. 

Os alimentos estão divididos em três categorias de índice glicêmico: baixo (IG menor ou igual a 55), médio (IG de 56 a 69) e alto (maior ou igual a 70). Quanto maior a quantidade de insulina exigida para que o alimento seja metabolizado, maior é seu IG. Ou seja, o índice revela a velocidade com que cada alimento será absorvido pelo organismo. Por isso, o ideal para um cardápio leve e que mantém a saciedade são as opções com baixo IG. 

Índice de massa corpórea (IMC)

É a medida internacional usada para calcular se uma pessoa está no peso ideal, aquele que não indica riscos à saúde. O IMC é determinado pela divisão da massa da pessoa (em quilogramas) pelo quadrado de sua altura (em metros). 

Light

Os alimentos light são aqueles que devem ter uma redução de no mínio 25% de qualquer substância fornecedora de quilocalorias existente no produto original, como a gordura ou o açúcar. São os alimentos certos para aquelas pessoas que querem perder peso e ter uma alimentação saudável, pois apesar de terem todas as substâncias encontradas no original, tem seu valor energético reduzido. 

Anuncie no Virthuz Anunciante Virtual a partir de R$ 40,00 por ano

 

 

 

 

Crianças: 10 dicas de como prevenir doenças respiratórias no inverno

O inverno é a época do ano que as crianças mais sofrem com doenças respiratórias, mas é possível diminuir essas ocorrências com alguns cuidados simples.

 

No inverno, as doenças respiratórias afetam principalmente as crianças. Entretanto, com algumas dicas simples é possível evitar as doenças que se manifestam nesta época do ano, por causa das baixas temperaturas, o tempo seco e ao aumento da poluição na cidade. É o que explica o médico Juang Horng Jyh, professor do curso de Medicina da Universidade Cidade de São Paulo (UNICID).

O profissional alerta que o uso de antibióticos está contraindicado, a menos que haja alguma complicação bacteriana. “Se no terceiro dia da doença, o quadro se mantiver ou agravar com persistência de febre, recusa de alimentação, aparecimento de vômitos, cansaço para respirar ou diminuição da urina, é importante levar a criança imediatamente para uma avaliação com o pediatra”, esclarece Horng Jyh.

Menina doente com termômetro na boca segurando seu bichinho coelho de pelúcia - Thomas M Perkins / ShutterStock

Já bebês precisam de cuidados especiais. “Os menores de dois anos de idade são mais propensos a problemas respiratórios severos, pois suas defesas imunológicas ainda são fracas e a capacidade respiratória é baixa. Portanto, se tiverem febre ou aparentemente um simples resfriado, é preciso o encaminhamento ao especialista com urgência”, ressalta o médico.

Nesta época do ano também é necessário ter cuidado com os sintomas da bronquite, doença causada por vírus que atacam os brônquios e bronquíolos (pequenos canais dentro dos pulmões que levam o ar para as trocas de gases) levando ao inchaço na parede destes canais e gerando muitas secreções, o que causa grande dificuldade para respirar, com tosse, cansaço e chiadeira no peito.

Confira as dicas de prevenção:

 

  1. Não levar os filhos com resfriado para a escola ou creche, pois além do repouso necessário para a recuperação, será evitado que a criança transmita o vírus para as outras crianças;
  2. Evitar que pessoas com gripes ou resfriados fiquem em contato direto com os seus filhos pequenos, dentro da sua própria casa. Caso os pais ou irmãos maiores estejam com resfriado, é recomendado o uso de máscaras comuns (vendidas em farmácias) quando estão perto destas crianças, especialmente, se for um bebê;
  3. Evitar sair de casa com bebês com menos de quatro meses de idade para lugares com aglomerações de pessoas. Nessa idade, as defesas do organismo ainda não estão desenvolvidas, sendo muito mais propenso a contrair doenças com mais complicações;
  4. Manter a vacinação adequada e em dia;
  5. Fazer o aleitamento materno que, além de ser o alimento ideal para os bebês até o sexto mês de vida, transmite anticorpos da mãe que os protegerão de um grande número de doenças;
  6. Manter a casa e principalmente o quarto das crianças arejado e limpo. É importante não ter nada que possa acumular pó, pois os ácaros (grande causador de alergias respiratórias) costumam se fixar em objetos como bichinhos de pelúcia, tapetes, cortinas, protetor de berço, mosquiteiro, almofadas, caixas de brinquedos, entre outros;
  7. Manter os animais de estimação no quintal;
  8. Não fumar e não permitir que fumem dentro da sua casa, em nenhum cômodo, pois a fumaça de cigarros irrita as vias respiratórias;
  9. Consultar sempre um pediatra e procurar evitar de ir ao Pronto Socorro com o seu filho sem necessidade, pois neste local ele poderá ficar ao lado de outras crianças que podem estar com doenças contagiosas graves;
  10. Nesta época de clima mais seco, deve-se umidificar os ambientes nos quais o seu filho passa  maior tempo, para amenizar possíveis irritações de pele e mucosas.
 

 

Paula R. F. Dabus

 

 

Acabe com a tensão; veja 5 maneiras para evitar dor nas costas

 

 

 

 

Na maioria dos casos, esse incômodo ocorre devo aos maus hábitos Foto: Getty Images
Na maioria dos casos, esse incômodo ocorre devo aos maus hábitos

Você sofre de dor nas costas? Esse é um problema comum e responsável por boa parte das consultas médicas, mas também é um dos mais fáceis de serem evitados. Na maioria dos casos, esse incômodo está ligado a um espasmo muscular, que pode acontecer por má postura, movimentos repetitivos, inflamação crônica ou tensão. Por isso, o site da Mens Health listou cinco mudanças de hábito que podem acabar com essas dores. Veja a seguir.

 

Alongue-se antes de praticar exercícios: o alongamento deve ser levado a sério. Antes de sair para uma caminhada ou malhar, estenda a região lombar, deitando de costas e puxando um dos joelhos para o seu peito. Segure de cinco a dez segundos e faça com a outra perna. Relaxe por dez segundos e repita o ciclo.

Solte os músculos tensos: “usar um rolo de espuma pode trabalhar as torções musculares antes que elas causem mais problemas", diz Neel Mehta, diretor de medicina ambulatorial do Weill-Cornell Pain Medicine Center. Coloque o rolo no chão e use o peso do corpo para massagear a parte superior das costas, região lombar e o quadril. Isso vai ajudar a aliviar a tensão dos músculos.

 

Pratique ioga: você só precisa ir uma vez por semana. Segundo especialistas, quando uma pessoa com dor lombar pratica 75 minutos de ioga por semana durante três meses, o incômodo diminui 50%.

 

Bolsas térmicas: a dor nas costas também pode ser tratada com compressões de frio e calor. Primeiro, aplique uma compressa de gelo por cinco minutos e depois tire nos cinco minutos seguintes. Repita esse ciclo por meia hora. “O ciclo de refrigeração aumentar o fluxo sanguíneo para o músculo dolorido, o que diminui a dor”, explica Mehta. No dia seguinte, você pode usar uma compressa ou uma toalha aquecida para ajudar a relaxar a tensão.

 

Movimente-se: claro, um músculo tenso precisa de tempo para se recuperar, mas ficar parado não vai ajudá-lo nesse processo. "Ficar completamente inativo por mais de 48 horas começa a atrofiar o músculo, o que faz com que ele fique mais fraco e mais propenso a lesões", justifica Michael Neuwirth, diretor do Instituto da Vértebra, no Beth Israel Medical Center. Se ainda assim a dor persistir, o melhor é procurar um médico.

TERRA

 

Familia 

 

Falta de diálogo? Birras? Veja os erros mais comuns que os casais cometem

 Quatro erros que os casais costumam cometer e nem percebem

 

 

 Ninguém está livre de errar, ainda mais dentro de um relacionamento com duas pessoas diferentes. “Pelo que tenho observado, muitos casais erram nas mesmas coisas. Na realidade, estão tentando se acertar, se adequar um a outro”, observa a terapeuta de casais Ana Paula Cavalcante Pinto, do Rio de Janeiro. Muitas vezes, nessa busca pelo perfeito encaixe, homem e mulher acabam deslizando na conduta e prejudicando o relacionamento. Identifique e corrija os maus hábitos para o bem estar do seu amor com as dicas da terapeuta.

 

 Bico calado, cara amarrada

Estresse, TPM, cansaço: tudo é motivo para encurtar a paciência de uma mulher. Uma pequena atitude do rapaz pode deixá-la irritada além da conta e, com isso, se aborrecer com o parceiro e adotar a lei do silêncio. “Evitar o diálogo não resolve a situação e ainda gera outros conflitos. Ele vai insistir em querer conversar, nem que seja para descobrir o que está acontecendo. Acaba que os dois ficam ainda mais aborrecidos”, observa. A solução? “Deixe a birra de lado e tenha uma conversa franca, consistente, expondo seus sentimentos”, orienta a terapeuta.

 

 Não, não e não!

Se você não abre mão da sua vontade uma única vez que seja, pode estar colocando o seu relacionamento em risco em nome do ego. “Isso costuma ser um problema frequente entre os casais. As pessoas são muito teimosas e querem sempre impor aquilo que acreditam. Aí fica aquele impasse e ninguém se entende”, lamenta. O jeito é baixar a bola e buscar ser mais flexível.“Pense bem, será que cedendo você vai se prejudicar tanto assim? Provavelmente não. Procure aceitar a vontade do outro vez ou outra. Mas sempre de forma equilibrada para que um não fique em desvantagem em relação ao outro”, afirma Cavalcante.

 

 Tempo: o grande inimigo

Quem está junto há um tempo sabe que, se seguir o ritmo da rotina, acaba deixando de lado detalhes fundamentais para um relacionamento amoroso. “A correria do dia a dia, o trabalho, a academia, até mesmo o trânsito sugam as energias do casal. Dificilmente no fim do dia sobra um tempo para namorar. A pessoa chega em casa tão cansada, que no máximo assiste a um filme e dorme. Isso acaba esfriando a relação”, diz ela. Para reverter o quadro, ao primeiro sinal de espaço na agenda, invista no seu amor. “Se sobrou uma horinha livre, aproveite para namorar. Faça um jantar romântico ou um programa que os dois adorem. Até mesmo um momento para conversar ajuda bastante”, ensina a terapeuta.

 

 Casal de gelo

No início do amor, um não larga do outro. Com o tempo, o sexo passa a ficar em segundo plano. “Um casal que não transa, ou apenas tem relações por obrigação torna a companhia do outro desagradável. Isso faz com que a qualidade do relacionamento diminua a ponto de se chegar a triste conclusão de que o amor acabou”, revela. Para reacender a paixão, o segredo é a perseverança. “Não deixem de estar juntos. Se o sexo foi ruim, conversem para que da próxima vez seja melhor. Aos poucos vocês vão se afinando e reduzindo esse afastamento”, finaliza.

 

Nada em Demasia

Gastei um tempo me perguntando o que há de tão fascinante em um vídeo game. Matar mosntros virtuais, sentir-se um herói, ser um campeão...Sinceramente não sei, mas outro dia li, em algum lugar, que já existem clínicas de reabilitação para viciados em games. Isso mesmo. O problema é bem maior do que se pensa e já virou uma questão mundial de saúde pública. Alemanha, E.U.A, Holanda, China e Coréia do Sul já tem essas clínicas para curar os chamados “GAMERS”. Os tratamentos incluem exercícios físicos e tarefas em grupo para valorizar o contato com outras pessoas e, também, com a natureza.

Um estudo feito pela Harris Interactive mostrou que 10% das crianças e adolescentes americanos são viciados em video game e, por isso, enfrentam problemas em suas vidas escolar e pessoal. A pesquisa, feita com 1.100 jovens, entre 8 e 18 anos, revelou que eles tiram notas mais baixas e estão mais propensos a ter problemas de déficit de atenção. No Brasil ainda não existem clínicas especializadas, mas os doentes vêm crescendo. Alguns recebem ajuda no Hospital das Clínicas, em São Paulo. Em uma entrevista, um dos médicos, cita casos chocantes como o de um adolescente que passava 40 horas ininterruptas jogando. Ele urinava e defecava nas calças. 

Uma clínica para “gamers” na China criou um exame padrão para determinar se alguém é ou não viciado e, usa uma combinação de sessões de terapia, medicamentos, acupuntura e esportes como natação ou basquete para facilitar a volta dos pacientes para uma vida normal. O Governo Chinês estabeleceu um limite de tempo para jogos online em, no máximo, três horas por dia, com penalidades para quem ultrapassar esse limite. Essa medida foi tomada para tentar evitar que casos como o de um homem de 31 anos que faleceu, na cidade de Sichuan, após 20h seguidas jogando o jogo “Saga” online aconteçam.

Em uma entrevista o diretor da clínica “Smith and Jones”,na Holanda, Keith Bakker, explicou que, quase sempre, os jovens viciados desejam fugir da realidade e alerta para que os pais não subestimem o problema. “Isso poderia sair totalmente de controle. Esses jogos podem ser projetados para manter o jogador permanentemente avançando. É como escalar uma montanha sem picos.”, disse Bakker. Normalmente os viciados em jogos possuem consoles em seus quartos e passam, em média, 24,5 horas semanais nesse frenesi virtual. 

O certo é que o jogo realmente causa um bem estar e proporciona prazer e distração, porém nos viciados isto é muito mais forte: eles querem sempre quebrar recordes, virar os jogos, jogar cada vez mais e mais, alguns esperam seus pais dormirem para virar a noite jogando. São horas desperdiçadas apenas para saciar este desejo sedento por jogos eletrônicos, desta forma o cérebro lhes envia, outra vez, uma mensagem de recompensa por estarem jogando e isto se traduz numa felicidade imensa.

Enfim, jogar é muito bom, mas como tudo na vida deve ser moderado. Para você que não é viciado e leva estes jogos como um passa-tempo, como uma distração e brincadeira sadia com a galera, bom jogo e bons recordes. Mas não perca seu sono e sua vida, pois lá fora o sol, as ondas e as gatinhas estão sempre à sua espera. 



.Dieta do Limão



Fonte: http://www.dietaesaude.org/dieta-do-limao.php

Esse artigo explica como funciona a Dieta do Limão

A Dieta do Limão, ou Dieta da Limonada, teve origem em uma dieta desintoxicante criada por Stanley Burroughs, um autor americano, nos anos 50. Com o tempo, a Dieta do Limão ganhou várias versões diferentes e também alcançou certa popularidade tanto no Brasil quanto no exterior, com avaliações positivas de quem seguiu essa dieta.

Na sua forma mais popular atualmente, a Dieta do Limão é bem simples de ser seguida. Existem diversas versões de cardápios para a Dieta do Limão, alguns de 1 semana, outros de 15 dias ou até mesmo 1 mês, onde o efeito esperado é emagrecer até 2 kgs por semana ou 8 kgs por mês. A Dieta do Limão combina 2 pontos.

O primeiro ponto é começar o dia tomando uma limonada em jejum, todos os dias durante a duração da dieta. Isso é o que define a Dieta do Limão propriamente dita, ou seja, começar o dia tomando a limonada. Depois, ao longo do dia, um cardápio bem balanceado e com calorias reduzidas.

Algumas versões dessa dieta também incluem a limonada no almoço ou nos lanches entre as refeições, ou ainda usar o suco de limão para temperar saladas, por exemplo.

Outras diferenças entre as várias versões da Dieta do Limão é que algumas recomendam tomar a limonada gelada, outras recomendam tomar o suco de limão diluído em água morna.

Como o limão pode ajudar a perder peso Uma vantagem de usar o limão em uma dieta pode ser porque é uma fruta fácil de ser encontrada. Além disso o limão possui algumas propriedades que podem ser úteis em uma dieta de emagrecimento:

.Desintoxicante: o limão ajuda a eliminar as toxinas do corpo

.Causa saciedade, diminuindo a fome Diminui o armazenamento de gordura pelo corpo

.Efeito diurético




 

 

 

 

Saiba como controlar a obesidade 

24-03-2013

15:39:26

 

obesidade é uma síndrome, expressão de múltiplas causas que se manifestam por um excesso de massa corporal, por causa do tecido gorduroso. A obesidade é uma doença na qual as reservas naturais de energia armazenadas no tecido adiposo dos humanos e de outros mamíferos aumentam até o ponto onde está associado com certas condições de saúde ou aumento da mortalidade.

Não é sinônimo de excesso, senão, de um maior depósito de gordura. Quando estudamos o grau de acúmulo de gordura, geralmente em clínica, utilizamos os métodos antropométricos, tais como: tamanho, peso, circunferência do tórax, cintura, quadril, dobra da pele do tríceps, bíceps, subescapular, abdominal, coxa e panturrilha.

 


O peso e o tamanho se consegue com bastante precisão, já que apresentam um coeficiente de variação de 1%. Determinado o peso e o tamanho, se pode por meio da fóruma de Quetelet determinar o índice de massa corporal = I. M. C. Peso (Kgs) Tamanho 2.

A organização mundial da saúde define a obesidade quando o IMC é igual ou maior a 30 k/m2. Forma parte da síndrome metabólica.

É um fator de risco conhecido para doenças crônicas como: doenças cardíacas, diabetes, hipertensão arterial e algumas formas de câncer. É uma doença multifactorial, genética ambiental, psicológica, entre outros. Acumulação excessiva de gordura no corpo, hipertrofia geral do tecido adiposo. 

Segundo a origem da obesidade, a mesma se classifica nos seguintes tipos:

Obesidade Exógena: é causada pelo excesso de alimento.

Obesidade Endógena: é causada por alterações metabólicas. Dentro das endógenas, se fala de obesidade endócrina quando está provocada por uma disfunção de alguma glândula endócrina, como as tireóides. 

Classificação da obesidade baseada no sobrepeso

- 10% acima do peso ideal - SOBREPESO
- 15% acima do peso ideal - OBESIDADE MODERADA
- 20%por acima do peso ideal - OBESIDADE SEVERA

Com estes critérios é possível reconhecer o paciente, porém falta conhecer qual é a distribuição de gordura. Pela medição dos diâmetros é possível aproximar. Porém com diagnósticos e terapêuticos, é muito útil o estudo tomográfico ou a ressonância magnética com a finalidade de conhecer com certeza se existe tecido gorduroso intraviceral e qual a quantidade e sua distribuição.

Tratamento da obesidade

A enquete dietética é indispensável, tem como finalidade apontar o consumo calórico diário (alimentos ingeridos), sensações e emoções durante a ingestão. Dietapersonalizada para cada paciente.

Atividade Física

A atividade física aumenta o gasto calórico. A atividade deve ser baseada em exercícios rítmicos e aeróbicos que possam ser mantidos durante períodos prolongados de tempo, como caminhar, nadar, e o melhor com as camas deexercícios físicos que vão indicando o exercício para obter melhor resultado na aparatologia. Outros tratamentos são: correntes russas, correntes interferênciais, ultrasom, termogênesis, etc.

Redação Bem de Saúde 

 

 

 

Armario 468x60

 

 

 

 
 
O Gluten nosso de cada Dia
 
 

O pão é bíblico. É um símbolo de prosperidade, do próprio alimento em si e, para muitos, até de comunhão com o divino.

No entanto, milhões de pessoas em todo o mundo sofrem pela incapacidade de digerir este tipo de alimento, ou ainda de qualquer tipo de alimento que seja derivado do trigo, do centeio ou da cevada, em especial pela presença de uma certa proteína altamente alergênica denominada Gluten.

A sensibilidade ao gluten é variável de acordo com cada indivíduo, e existe num amplo espectro de possibilidades e sintomas. De um lado temos os indivíduos celíacos, que são incapazes de processar sequer infinitésimas partículas de gluten que ficaram como resíduo em um utensílio que foi usado para preparar um prato com gluten. Do outro lado, temos os indivíduos que não tem qualquer tipo de problema com o gluten. E entre um e outro extremo, uma enorme quantia de indivíduos sofrendo mais ou menos com sintomas diversos de intolerância a esta substância.

O diagnóstico da intolerância ao gluten não é muito óbvio, e é relativamente comum que uma pessoa passe a vida inteira sofrendo com sintomas desagradáveis diversos sem relacionar os mesmos ao consumo dos derivados cereais que contem o gluten.

A lista de sintomas conhecidos e associados à intolerância ao gluten é grande. Vejamos alguns dos mais significativos:

- Crônica perda ou ganho de peso

- Deficiências nutricionais resultantes de má absorção (ex: deficiência de ferro)

- Problemas gastro-intestinais (inchaço abdominal, dor, gases, constipação, diarréia)

- Gordura nas fezes (devido à má digestão)

- Dores nas articulações

- Depressão

- Eczema e dermatites diversas (descamação nas mãos e dedos, por exemplo)

- Enxaqueca

- Exaustão

- Irritabilidade e mudanças comportamentais

- Infertilidade, irregularidade do ciclo menstrual, aborto espontâneo

- Câibras, coceiras e perda de sensibilidade na pele

- Crescimento reduzido (em bebês e crianças)

- Declínio na saúde dental

Como se vê, a lista é muito extensa e vai da psoríase à osteoporose, da infertilidade à obesidade. Assim sendo, fique atento: pode ser que o seu pãozinho de cada dia esteja realmente subtraindo muito de sua qualidade de vida.

 

 Um dos maiores problemas com a intolerância ao gluten é sua natureza insidiosa. Cerca de 75% das pessoas intolerantes não demonstram qualquer sintoma aparente de algo que com o tempo e o consumo frequente pode vir a se tornar uma doença auto-imune, um dano permanente no sistema nervoso e até um câncer intestinal. Algumas destas condições desenvolvem-se silenciosamente sem sintomas iniciais de fácil identificação.

A recomendação é que cada indivíduo busque o quanto antes saber se o seu corpo tolera bem ou não esta substância com o intuito de evitar sofrimento desnecessário.

Existem hoje diversos testes que auxiliam no diagnóstico desta inadequação digestiva, tais como a biópsia do intestino. Entretanto, a chance estimada de um médico tradicional relacionar um problema de saúde qualquer com intolerância ao gluten é de apenas 2% (!!). A absoluta maioria dos indivíduos realizou o simples teste do auto-diagnóstico, que trata de eliminar o gluten por um período de duas a seis semanas e observar se os sintomas recorrentes desaparecem por si.

Os bons profissionais de saúde sempre irão lhe recomendar a exclusão temporária da dieta de cada um dos quatro principais alimentos alergênicos (um de cada vez), de acordo com a lista compilada pela Mayo Clinic (USA), na ordem de maior frequência de incidentes:

1 – Gluten (em especial na forma de trigo, mas também na forma de centeio, cevada e, em casos extremos, aveia)

2 – Laticínios de vaca (especialmente os comerciais pasteurizados)

3 – Soja, especialmente os produtos que não foram pré-digeridos pela fermentação, como o misso, o tempeh, o nattô e o shoyu, estes de fácil digestão. Eliminar carne de soja, leite de soja e todo produto que seja acrescido de extrato ou farinha de soja, além de tofu e o próprio grão cozido.

4 – Ovos, especialmente os ovos de granja, provenientes de galinhas criadas com ração, antibióticos e hormônios.

Realizando em si mesmo esta importante experiência é possível identificar com mais clareza o quanto determinado alimento está afetando sua qualidade de vida… ou não.

No caso do gluten, o alimento que possui a maior concentração deste é de fato o trigo moderno.Sim, o onipresente trigo é o mais problemático de todos os cereais. Bem diferente das variedades ancestrais, como o Einkorn (o grão bíblico), o Kamut ou o Espelta, o altamente hibridizado trigo utilizado em 99% das preparações (como pães, biscoitos, massas e etc.) possui 3 elementos inadequados para a saúde humana, os quais conheceremos a seguir.

Dissecando o trigo moderno

O Einkorn, trigo original do Crescente Fértil (onde a própria agricultura teve início), foi aquele servido por Abraão aos seus convidados. O Einkorn é diferente em diversos aspectos. Seus grãos são menores e mais estreitos do que o trigo moderno. O teor de gluten chega a ser quatro vezes menor, e de um tipo diferente – é um tipo de gluten que possui 14 cromossomos, contra 28 do trigo moderno. Com o Einkorn você consegue criar um pão crocante, mas não uma massa de pizza molenga e maleável, cookies ou mesmo o pão francês.

 

O gluten, (do latin “gluten”, significa “cola”) é muito desejável para a culinária moderna pelo fato de que ele, como uma boa cola, aglutina a massa. É mesmo uma cola – misturando farinha de trigo com água você pode fechar envelopes com esta cola!

O trigo tão popular da era moderna, também conhecido por trigo-anão, é um produto de manipulação genética e hibridização, resultado de gerações e gerações de cruzamentos e seleção de sementes em busca do máximo teor de amido e gluten, os quais são os elementos essenciais da estética e textura normalmente almejados nos derivados. É um tipo de trigo resistente e de alta produtividade na colheita.

O homem que desenvolveu esta variedade em meados do século XX, o cientista norte americano Norman Borlaug, foi laureado com o Prêmio Nobel e prometeu alimentar milhões de famintos ao redor do globo. E de fato o fez, assim como nutriu em milhões a obesidade e a doença. A doença celíaca é hoje 4 vezes mais comum do que há cinquenta anos atrás, e a principal razão é a mudança de qualidade do trigo, que ocorreu justamente neste período.

A primeira diferença principal deste trigo-anão é o elevado teor de um tipo de amido concentrado chamado amilopectina A. É graças a ele que obtemos pães tão fofos. Mas é um amido tão glicêmico que bastam duas fatias de pão integral para elevar o teor de açúcar no sangue em maior medida do que o fariam duas colheres das de sopa cheias de açúcar refinado.

Perceba que não há uma diferença significativa entre a farinha de trigo integral ou refinada (a famosa farinha branca) no quesito glicemia. Em pessoas com diabetes, tanto o pão branco quanto o integral elevam a glicemia sanguínea em 70 a 120 mg/dl sobre os níveis iniciais. É notório que alimentos com alto índice glicêmico resultam em estocagem de gordura na barriga ou nos quadris, na ativação de mecanismos inflamatórios no organismo e na criação da esteatose hepática, ou degeneração gordurosa do fígado. Excesso de açúcar no sangue é o principal fator que resulta em diabetes tipo 2 e em obesidade.

Comparação de índice glicêmico

(teor de elevação de glicose sanguínea após a ingestão do alimento)

 

Uma das manobras enganosas efetivadas pela indústria dos alimentos é o ato de criar um aspecto virtuoso em produtos nos quais são adicionadas pequenas porções de trigo integral (ou mesmo apenas do farelo do trigo) em produtos altamente processados, elaborados com a temível e inflamatória gordura vegetal, com açúcar adicionado e outros elementos nocivos. Quem não conhece um pouco melhor sobre nutrição e saúde (e aqui me refiro a 95% da população, no mínimo) é levado acreditar que está ingerindo algo extremamente saudável ao comer bolachas “plastificadas”, tingidas de marrom por traços de trigo integral.

Outro fator que merece atenção em relação ao trigo-anão é a presença em sua composição de uma espécie de “super gluten”, uma variedade mais eficaz em causar inflamações em tecidos que tenham pré-disposição do que o gluten presente nos cereais não-híbridos. Em comparação com o Einkorn, o trigo moderno possui pelo menos o dobro de quantidade e variedade de moléculas de gluten.

A doença celíaca ocorre em indivíduos que tem uma predisposição genética conhecida como HLA DQ2 or DQ8, a qual ocorre em cerca de 30% da população, sendo que 99% das pessoas que sofrem com intolerância severa ao gluten e ao trigo não são diagnosticadas como tal. Estamos falando de um problema que afeta muita gente que passa a vida sofrendo com sintomas que não são atribuídos à real causa. É, sem dúvida, algo a se considerar.

Quando ingerimos repetidamente um alimento que o corpo não consegue processar adequadamente, o sistema imunológico o trata como um invasor, e luta contra ele. Quando isto ocorre de maneira repetida e frequente, o tubo intestinal fica crônicamente inflamado, o que danifica a mucosa e faz com que esta perca a camada protetora que impede que bactérias invasoras e moléculas de alimentos não digeridos penetrem na corrente sanguínea e se espalhem pelo organismo inteiro, o que conduz a uma inflamação sistêmica pelo fato de que o sistema imunológico passa a lutar contra estas “moléculas protéicas invasoras”.

A inflamação sistêmica é o início de muitas e variadas doenças, tais como doenças do coracão, demência, autismo, câncer e muitas outras. É realmente de se espantar que a medicina convencional tenha tanta resistência em realizar a associação entre alimentação e saúde.

O trigo moderno não contem apenas o amido concentrado e o “super gluten” – o que faz dele algo altamente engordativo e inflamatório – mas ele também contém uma droga poderosa. Sim, uma droga que vicia, aumenta o apetite e desequilibra a mente.

Quando processado pela digestão, as proteínas do trigo são convertidas em “polipeptídeos” chamados “exorfinas”. Estes são como a endorfina produzida após uma atividade física, e se ligam aos receptores de opióides existentes no cérebro, dando um “barato”. O nome deste tipo de substância do trigo é “gluteomorfina” – ou seja, um tipo de morfina.

Este tipo de substância está intimamente relacionado a causa de problemas tais como esquizofrenia e autismo, mas também a vícios comportamentais como apetite desenfreado e distúrbios alimentares diversos. Ninguém tem acessos descontrolados de vontade de comer brócolis, mas é muito comum um surto de desejo de comer cookies ou bolo. Resumindo, o trigo é também um viciante estimulante de apetite.

Substituindo o Gluten no Dia a Dia

Certamente que evitar o gluten não é uma tarefa das mais simples para quem se alimenta daquilo que é considerado o comum. Em nossa cultura, muitas vezes se come o trigo em cada uma das três refeições diárias (pãozinho e torradas no desjejum, macarrão no almoço, pizza ou sopa de macarrão no jantar…), além de bolachas e biscoitos como snacks ao longo do dia.

Poucos são os que não salivam ao sentir o cheiro de um pão quentinho na padaria, ou ao pensar em sua pizza favorita…

O trigo em si, como demonstrado anteriormente, é um alimento que vicia. Para quem é habituado a se alimentar dele, deixar de comer trigo exige uma determinação que se assemelha ao deixar de fumar cigarros. Já que não é uma tarefa das mais fáceis, é importante simplificar este esforço conhecendo e disponibilizando opções para o dia a dia.

Segue uma lista de substitutos viáveis para algumas das opções mais comuns de ingestão de trigo.

- Pão Francês ou de forma (integral ou não): Experimente substituir por tapioca, mandioca, inhame ou batata doce cozidos, por banana da terra cozida ou por algum pão sem gluten de boa qualidade. Muita atenção ao escolher o seu pão sem gluten, pois a maioria é feito com ingredientes tão inadequados quanto o próprio trigo: farinha e/ou óleo de soja, óleo de milho transgênico, clara de ovo de granja… por exemplo. É possível criar bons pães sem gluten, embora estes ainda não sejam os mais comuns no mercado. Tive recentemente a oportunidade de experimentar um pão italiano sem gluten e sem ingredientes duvidosos praticamente idêntico ao convencional… ou seja, é possível.

- Crackers e bolachas (integrais ou não): Já são disponíveis no Brasil crackers de mandioca realmente deliciosos, feitos apenas com mandioca, óleo de palma (ideal para ser aquecido) e sal. O site da empresa é www.chicogeraes.com.br, e o mesmo pode ser encontrado em diversas lojas especializadas. São crocantes e leves, eliminam até mesmo a saudade dos cream crackers e semelhantes, sem qualquer traço da gordura vegetal hidrogenada que quase sempre está presente nestas bolachas. Dica: compre o pacote de “massa de lasanha”, que possui duas embalagens grandes de crackers.

- Cookies sem gluten: Existem algumas marcas que oferecem opções razoáveis, mas quase sempre possuem alto índice glicêmico e ingredientes indesejáveis. O ideal é se acostumar a deixar de gostar de alimentos doces processados, substituindo a princípio por cookies caseiros feitos de trigo sarraceno (receita mais adiante) ou aveia, num segundo momento por frutas frescas até chegar no ponto ideal de ter uma alimentação com o mínimo de doces de qualquer tipo. Uma dieta com baixo teor de açúcar, de qualquer tipo, é a mais recomendada para a maioria dos seres humanos.

- Massas diversas: Já podemos encontrar no mercado diversas opções de massas nos mais variados formatos que são elaboradas com diversos cereais. As mais adequadas são sem dúvida as elaboradas com quinoa e amaranto, ou puro trigo sarraceno. Estes são os cereais mais adequados. Num distante segundo lugar ficam as massas exclusivamente elaboradas de arroz, que embora não sejam alergênicas são pobres em nutrientes e glicêmicas demais. Num terceiro e distante lugar a massa feita de milho, muito glicêmica e quase sempre de origem transgênica. Como quase sempre é verdade em relação a tudo, as opções mais caras (massas de quinoa) são as que oferecem melhor qualidade e valor.

- Pizza: Ainda não me deparei com uma massa de pizza sem gluten pronta para comprar que transmitisse a mesma experiência agradável da pizza convencional e que não tivesse ingredientes indesejáveis. Sendo assim, incluí abaixo uma receita de massa de pizza fácil de preparar e de resultado muito interessante, com as bordas crocantes e douradas e flexível na parte central. Não muito fina, nem muito grossa, te dá a possibilidade de segurar nas mãos uma fatia e morder.

MASSA DE PIZZA SEM GLUTEN

Esta receita requer alguma dedicação e pesquisa para obter alguns dos ingredientes, mas o resultado compensa.

Ingredientes (rende 2 pizzas – multiplique as quantidades e congele se desejar): 

– 2 xícaras de polvilho doce ou azedo, ou misturados em partes iguais.

- 1 xícara de farinha de arroz.

- 1/2 xícara de farinha de arroz integral.

- 1/2 xícara de farinha de painço (você pode comprar o painço descascado e moer).
– 2 colheres das de chá de bicarbonato de sódio.

- 2 colheres de chá de goma xantana, ou CMC em pó (encontra-se em casas especializadas de produtos naturais ou empórios).

- 1 colher de chá de sal marinho

- 1 e 1/2 xícara de caldo de cana amornado

- 1 sachê de fermento biológico

- 1/4 de xícara de um bom azeite de oliva

- 1/4 de colher de chá de vinagre de maçã suave

- 1/4 de xícara de clara de ovo da roça (orgânico) batida OU alguma das duas opções de substituição de ovos em receitas (abaixo): 

Substituto de semente de linhaça para um ovo

  • Moer as sementes no liquidificador e guardá-las no freezer.
  • No preparo usar uma (1) colher de sopa de sementes de linhaça dourada moídas + Três (3) colheres de sopa de água.
  • Misturar, deixar em uma tigela pequena descansando por 1 a 2 minutos. (Torna-se muito espessa se ficar mais tempo).

Em algumas receitas abundantes em líquidos, as sementes de linhaça moídas podem ser adicionadas diretamente aos ingredientes secos.

Substituto da clara de ovo em receitas

  • Dissolver Uma (1) xícara de polvilho azedo em uma tigela com água.
  • Coloque na panela e mexa, até dar o ponto de clara de ovo.

 

Modo de Preparo:

1 – Unte duas fôrmas de 30cm com manteiga ou azeite, e polvilhe com polvilho (rs!). Reserve.

2 – Numa larga tigela, misture as farinhas e ingredientes secos. Dissolva o fermento biológico em uma xícara de água morna com uma pitada de açúcar. Misture o fermento aos ingredientes secos.

3 – Adicione os óleos, ovos e vinagre.

4 – Sove a massa até que esteja macia e aderente. A textura da massa não é muito firme, fica mais para massa de bolo do que de massa de pão.

5 – Utilizando uma espátula de silicone, divida a massa ao meio e despeje cada metade nas fôrmas preparadas. Espalhe a massa com mãos limpas e molhadas, criando um disco fino e de espessura bem distribuída, com bordas suavemente levantadas. Você precisará umedecer suas mãos mais de uma vez para fazer isto. Tenha calma, você será recompensado com uma adorável massa de pizza.

6 – Deixe a massa da pizza descansar e crescer em local morno por mais ou menos 15 minutos.

7 – Pré-aqueça o forno a 200 graus, e depois asse por 10 minutos até dourar.

8 – Remova do forno, desligue o forno e ligue o grill (se houver). Pincele a massa com um bom azeite, tomates cereja esmagados, sal marinho e ervas frescas. Utilize, se quiser, um bom queijo de cabra, de amêndoas, ou do que preferir. Gratine por 4 ou 5 minutos e pronto, delicie-se com sua lindíssima pizza sem trigo!

 

Mais Observações

Alguns afirmam que o trigo, quando germinado, perde o seu gluten e deixa de ter malefícios. Isto simplesmente não é verdade. Embora o teor de gluten seja reduzido, é em pequena proporção. Se você não tolera o trigo, germinar o mesmo não irá resolver a questão.

Isto não significa que não seja benéfico germinar os cereais diversos – uma prática que de fato facilita a digestão, elimina substâncias indesejáveis e amplifica a qualidade do alimento em geral. Mas não é suficiente para eliminar o gluten.

Outra observação importante é que embora tenham sido apresentadas algumas idéias e alternativas para substituir o trigo, mesmo estas alternativas devem ser ingeridas dentro de um equilíbrio, sem excessos.

O ideal é ter consciência de que a meta é ter uma ingestão reduzida de pães, massas e biscoitos de qualquer tipo. Seja de trigo ou de qualquer outra origem, é sempre bom estar atento para ter uma alimentação com ingestão moderada de carboidratos. Lembre-se de que nos milhares de anos que antecederam a descoberta da agricultura o organismo humano lapidou seu metabolismo ingerindo uma alimentação com muito pouco carboidrato – e até hoje é assim que o metabolismo encontra as suas condições ideais para funcionamento.

Os grandes especialistas em nutrição recomendam obter a maior parte das calorias diárias de fontes de gordura saudável, e apenas entre 30% e 20% de calorias idealmente seriam obtidas de carboidratos – variando, naturalmente, do perfil de atividade física individual. Por incrível que pareça, o exato inverso da típica pirâmide nutricional tradicional…. e um excelente tópico para ser detalhado em um outro artigo.

Desta forma, o ideal mesmo é ir cortando seus laços de dependência com uma dieta com excesso de alimentos ricos em carboidratos – açúcar, pães, bolos, biscoitos, massas, batatas…. e tudo aquilo que vira açúcar no sangue. Esta é uma das diretrizes básicas de uma alimentação realmente em harmonia com a natureza da biologia corporal. Excesso de carboidratos na dieta é razão do desenvolvimento de uma lista enorme de desequilíbrios para a saúde, justamente por não ser o combustível natural para o corpo.

Mesmo assim, sabemos que toda a mudança duradoura acontece de forma gradual. O ideal é iniciar o caminho de evolução de hábitos alimentares substituindo os alimentos por alternativas melhores, como as demonstradas acima, e, aos poucos, educando-se a gostar daquilo que faz bem. E aprender, se ainda não o fez, que é perfeitamente possível ter uma vida cheia de alegria e prazer mesmo sem o trigo… e sem os seus muitos inconvenientes!

Toda mulher que se preze tem milhares de sonhos, alguns mais fáceis de realizar, como um sapato ou uma roupa famosa, outras mais difíceis como encontrar um bom namorado ou ter uma vida independente. Mas bem no fundo quase todas desejam as mesma coisa e dividem os mesmos sonhos. Então conheça a verdade sobre os desejos de muitas delas:
 
 
Cursos On-line com Certificado - Cursos 24 Horas

                                      

 

 Diferentes formas de enfrentar turbulências emocionais

As pressões cotidianas nem sempre podem ser mudadas, mas é possível aprender a identificar as turbulências emocionais e a lidar com elas e, então, recuperar o equilíbrio

Reportagem: Tatiana Bonumá - Edição: MdeMulher

Conteúdo CLAUDIA
 
 
 
 
 
 

É primordial dosar vida profissional com pessoal
Foto: Getty Images

As explosões, a tentativa de controlar tudo ou a vontade de jogar de vez a toalha são sinais de alerta: é hora de se cuidar. "O desafio está no plano emocional e físico, altamente exigidos, que precisam estar em harmonia para enfrentar o desgaste", avalia Wilson Rondó Jr., médico especializado em terapia molecular e prevenção do envelhecimento e stress. Ok, mas já que não é possível mudar o mundo num piscar de olhos, que tal alterar a maneira como você se relaciona com ele?  "É primordial dosar vida profissional com pessoal, proporcionar-se pequenos prazeres diariamente e praticar atividade física", recomenda Luiz Vicente Figueira de Mello, psiquiatra pesquisador e supervisor do Ambulatório de Ansiedade do Instituto de Psiquiatria HCUSP. Para iniciar esse caminho, é necessário um replanejamento e a mulher deve se observar, checando se consegue dar conta do recado sozinha. "Quando um sintoma aparece, seja apatia ou ansiedade, é sinal de que um padrão de comportamento já se instalou há algum tempo", pontua Teresa Avolio, psicoterapeuta fenomenal-existencialista. Então, se o mal-estar persistir e você se sentir incapaz de aliviá-lo, é hora de procurar o médico ou o terapeuta. Confira a lista de sintomas e uma série de atitudes para amenizá-los. As orientações são dos especialistas citados, Heloísa Capelas, terapeuta familiar especializada em reeducação emocional e coordenadora do Centro Hoffman de Quadrinidade, e terapeuta e iogue Suely Firmino, autora de Raja Yoga - Quebrando Correntes (editora Madras).

Apatia

Alerta amarelo - Cansaço e fraqueza, falta de ânimo para as tarefas rotineiras, dificuldade para acordar, desinteresse por tudo, pessimismo, queda de autoconfiança, falta de coragem.

Alerta vermelhoAlteração significativa do peso (engordar ou emagrecer) em pouco tempo, disfunção do sono que interfere no desempenho, tendência ao isolamento, angústia, choros constantes, pensamentos repetitivos e negativos.

Para reanimarPratique atividades em grupo, como um esporte em equipe. Se anda solitária, tente envolver-se em ações sociais ou comece um curso – é fundamental manter contato com as pessoas. Não se exija demais, interaja da forma que conseguir. Aproveite a fase introspectiva e comece um diário: anote desejos, medos, ideias. Atrás da apatia, poderá descobrir um turbilhão de sentimentos para serem acolhidos. Pela manhã, o desânimo piora. Tome sol para se energizar. E experimente este exercício: escolha uma escova com cerdas sintéticas e bolinhas na ponta. Passe óleo no corpo (de ilangue-ilangue ou bergamota, que animam) deslizando a escova sempre de baixo para cima, numa sequência vigorosa, mas sem machucar. Faça três repetições e tome uma boa ducha depois. A prática ativa as circulações linfática e sanguínea, limpa toxinas e dá disposição. Se o ânimo continuar oscilante, faça um check-up sob supervisão médica. Problemas orgânicos, como anemia, diabetes ou disfunções hormonais e nutricionais, também podem provocar apatia.

Raiva

Alerta amarelo - Dificuldade para conter as emoções. Explosões emocionais passageiras, porém repetitivas, seguidas de uma dose incômoda de culpa, remorso e baixa auto-estima.

Alerta vermelhoO sentimento se manifesta de modo persistente e prolongado, gera pensamentos vingativos e hostis ou comportamentos agressivos. Sensação de impotência e descontrole diante da fúria. Sudorese, tremores e taquicardia.

Para controlarLembre-se de que é normal sentir raiva. Siga a técnica dos três passos para aprender a lidar com ela: 1 Acolha esse sentimento, você não precisa reprimi-lo, mas reconhecê-lo. Assim, impedirá que ele conduza suas ações. 2 Antes de reagir, respire e questione-se: se eu fizer o que quero agora, quais serão as consequências? 3 Aguarde a melhora, que é gradual. Num primeiro momento, talvez não consiga conter-se. Depois, interromperá o acesso de raiva no meio e, enfim, evitará que ele aconteça. Inclua mais prazer em sua vida e sua capacidade de tolerar frustrações aumentará. Aprenda a se comunicar. Em vez de ir engolindo a raiva até explodir, manifeste sua insatisfação quando ela aparecer. Seja objetiva: diga o que lhe desagrada; dê uma sugestão ou peça que a pessoa envolvida ajude a pensar numa saída. Isso vai aliviar a pressão.

Ansiedade

Alerta amarelo - Alteração do apetite e do sono; preocupação e sensação de sobrecarga. Baixa energia para tarefas rotineiras; inquietação. Dificuldade de se desligar das obrigações.

Alerta vermelho - Emagrecer ou engordar demais; oscilação no padrão do sono (insônia ou excessiva sonolência), sudorese exagerada, taquicardia, falta de ar, ausência de espontaneidade, pensamentos frequentes relacionados à morte.

Para apaziguarPratique atividade física pelo menos três vezes por semana. Os exercícios equilibram serotonina, dopamina e adrenalina: em um mês sentirá a melhora. Assuma que não é possível fazer tudo; defina prioridades ; e não emende as obrigações, faça pausas, gratifique-se pelo dever cumprido. Eduque sua mente – a pessoa ansiosa se tortura com cobranças e críticas. Uma estratégia é “responder” a essas ordens mentais como se falasse com uma criança, repreendendo os pensamentos desfavoráveis com carinho e firmeza. A cada torpedo negativo da mente, retruque com um positivo, lembrando de suas conquistas pessoais. E medite: seja com a ajuda de um livro ou de uma escola. Meditar interrompe o fluxo mental, trazendo equilíbrio. A hatha ioga é um bom caminho para se iniciar no terreno do silêncio interior.

Rigidez

Alerta amareloApego excessivo à rotina e à organização. Mau humor e instabilidade diante de pequenas mudanças e imprevistos. Irritabilidade, autocobrança e perfeccionismo.

Alerta vermelho -  Intolerância, dificuldade em relacionar-se e adaptar-se a situações novas, ataques de cólera. Mania de ordem e de limpeza. Adoção de rituais como lavar as mãos sempre, verificar se as portas estão fechadas etc.

Para flexibilizarInvestigue do que você tem medo. Com frequência, a rigidez é um modo que a pessoa encontra para se proteger de algo que considera uma ameaça. Pergunte-se: o que me deixa instável? O que vai acontecer se eu me sentir insegura? Eleja em que aspectos é fundamental manter um bom desempenho, mas não deixe que o seu critério de excelência abarque todas as áreas da vida. Não dá para ser ótima em tudo. A massagem e a dança de salão são boas indicações para aliviar essa dureza. Na massagem, permitir que alguém a toque é um exercício de entrega e confiança. No salão, terá que soltar o corpo e deixar-se conduzir pelo parceiro. Dançar conforme a música traz jogo de cintura. Nos dois casos, talvez sinta-se desconfortável no início. Persista. Em troca, terá prazer e ganhará maleabilidade.

23:12:25 -13-03-2013

                   
    

 

 

Westwing Home and Living

corretor de imóveis

http://www.classificados.com.br/

Bolsas BETTY BOOP coleção STRIPES 2011 | TODAMULHER

Você sabe se expressar?

Com a ajuda deste manual, você vai se comunicar melhor, atrair as atenções e conquistar muito sucesso

Conteúdo MÁXIMA
 
 
 
 

Nem sempre conseguimos nos expressar de forma adequada e, por isso, acabamos perdendo grandes chances na vida
Foto: Getty Images

Quem nunca começou a contar uma história para uma amiga (ou chefe, marido...) e, em poucos minutos, percebeu que ela não estava mais prestando atenção? Embora seja frustrante, o desinteresse pode ser culpa sua. Para aprender a se comunicar e ser ouvida, o segredo é manter o interesse do outro. Os políticos e as celebridades são bons nisso. Mas você também pode se munir de truques de marketing para prender a atenção do outro e conseguir o que deseja. Segundo Maria do Carmo Carrasco, fonoaudióloga e consultora em comunicação corporativa (SP), esse tipo de treinamento ajuda a ter sucesso em qualquer área da vida. Pesquisas americanas e alemãs indicam que nós só temos uma chance para causar uma boa impressão. Em apenas sete segundos você é julgada pela "embalagem" - para o bem ou para o mal! Só depois a pessoa avalia sua personalidade, credibilidade, profissão e situação financeira. Portanto, treine já para começar outros relacionamentos com o pé direito. A consultora de imagem Jaqueline Araújo, da Beraldo & Ciampolini (SP), sugere que você primeiro pense como deseja ser percebida. "Reflita sobre a imagem que de fato quer construir e adapte-a a cada situação, sem perder o seu estilo", diz.

Gesticular faz (toda) a diferença

Muitas vezes a gente transmite uma mensagem que não combina com o que o corpo está dizendo. Saber usar a linguagem dos gestos é essencial. Segundo o livro Desvendando os Segredos da Linguagem Corporal (Ed. Sextante), de Allan e Barbara Pease, para fazer com que os outros se deixem influenciar por suas opiniões, use uma postura "aberta" e "descontraída": "Isso estimula sua autoconfiança e faz com que as pessoas tenham uma percepção positiva de você".

Fala que eu te escuto!

Em geral, as pessoas têm dificuldade para conversar de maneira clara e objetiva. "Mude o seu jeito de falar para estimular a escuta do outro", sugere Pedro Barreto, especialista em técnicas de interpretação e diretor do Espaço Renoir de Comunicação (SP). Como fazer isso? Divida a informação em quatro partes: introdução, preparação, tema central e conclusão. A introdução é um resumo. Os detalhes aparecem no meio do discurso e a conclusão fecha a ideia. Outros aspectos que contam:

Voz

Respire tranquilamente, articulando bem as palavras. Evite gritar e usar sons agudos (os tons graves oferecem mais credibilidade). Projete a sua voz de acordo com a distância do interlocutor - é chato alguém que fala alto ou baixo demais.

Dicção

Quando ela é boa, transmite franqueza, impressão de muito conhecimento sobre o assunto e a certeza de ser compreendida. A entonação deve ser firme e certeira, sem soar arrogante. A fala deve ser pausada para manter a atenção do outro, mas não fale devagar demais.

Vocabulário

Use as palavras e o tom de acordo com quem vai ouvi-la. Evite linguagem técnica, expressões estrangeiras e o uso do "não" - ele soa como algo negativo e provoca a reação que se quer evitar. Jamais adote gírias, jargões ou palavrões.

A embalagem conta

Roupa, acessórios, cabelo e maquiagem expressam os nossos valores, personalidade e estilo de vida, explica Jaqueline Araújo. Por isso, o ideal é que a imagem se aproxime ao máximo da sua identidade. "Para ser vista com credibilidade, a sua imagem precisa ter consistência", diz ela.

Autoconhecimento

Identifique quais são os seus pontos fortes (para poder realçá-los) e descubra o seu estilo. Definidos esses pontos, mantenha o padrão no escritório, no dia a dia, nas férias... Assim você cria uma marca pessoal. Suas escolhas devem estar de acordo com a sua personalidade, para passar maior confiança e segurança às pessoas. Para definir o seu estilo, busque imagens que representem aquilo de que gosta. Lembre-se: a moda passa, mas o estilo permanece. Pensando nisso, monte um painel com as suas figuras favoritas e use-o de referência. "Saber o que nos favorece e potencializa a nossa imagem é uma das chaves para o sucesso", afirma Jaqueline.

Valorize o seu tipo físico

Saiba destacar os seus pontos fortes e esconder o que derruba a sua imagem. Questione-se: do que gosto no meu corpo? Observe a cor do cabelo, da pele e dos olhos e escolha roupas que realcem suas características.

De olho na beleza

Fios caídos no rosto transmitem sensualidade, então ajeite-os paratrás, crie um penteado meio preso ou um coque, abuse de prendedores elegantes... Faça a manicure semanalmente e mantenha as unhas não muito compridas. Quando o assunto é maquiagem, adote um visual suave - batom clarinho e rímel. Importante: prefira perfumes frescos e leves.

Guarda-roupa perfeito

Evite decotes, peças justas ou curtas, que desviam a atenção do interlocutor. Também não exagere nas joias ou bijoux. Nos pés, fuja dos sapatos que fazem barulho. Outra dica: cores escuras criam uma imagem mais formal. Para um look casual, vá de tons claros. Mas escolha de acordo com o seu jeito de ser. Se você é mais fechada, adote um visual leve para quebrar o gelo e vice-versa.
 

 
 

beruby.com - O Portal que lhe dá recompensas por navegar

 

Música ô♫

Boa Tarde !
Hoje resolvi falar um pouco da música, quando ela surgiu, e ritmos !
Dificilmente, hoje, encontramos alguém que não gosta de música, que não escuta música. A verdade é que a música faz parte da nossa vida.  Onde quer que nós vamos, ela esta lá, seja qual for o seu ritmo. A música esta em qualquer lugar.
Quando você esta viajando, você escuta música, quando esta  caminhando, lá esta você com seu fone. Pode até não esta escutando nada, mas o fone esta sempre próximo(  geralmente no pescoço kk).
Quando você  esta inquieto e começa a batucar, e fazer barulhos, e cantarolar. Ou quando você esta tão feliz que começa a cantar no chuveiro, ou seja lá qual  for o lugar que você esteje...
 Ou até mesmo quando você esta lendo, e  aquela cena esta passando  na  sua cabeça. Drama, ação, comedia, nada disso seria tão legal se não tivesse música.
 Destaco  Charlie Chaplin, seus filmes  podem até não ter fala, mas têm música !

A música surgiu bem antes do que muitos imaginam. Surgiu no tempo do paleolítico, na pré-história, na verdade, ela tem quase a idade do homem, pois o homem da pré-história já criava sons diversos, fazendo umas batucadas até surgir uma melodia(que nem você faz quando não tem nada de bom pra fazer) e conforme foi se desenvolvendo, foi capaz não só de criar instrumentos como também a usar a própria voz, até tentando imitar os sons da natureza, que como ouviam frequentemente, despertaram esse interesse por usar a voz.

Acredita-se que os primeiros instrumentos musicais(xilofones,litofones, tambores de tronco e flauta) surgiram a 40.000 anos atrás, quando desenvolveram-se a linguagem falada e o canto. No Neolítico, surgiram os primeiros instrumentos de cordas e afináveis, após o desenvolvimento de ferramentas, e depois do surgimento da metalurgia, foram criados instrumentos de cobre e bronze (que chique!).
Costuma-se afirmar que a história da música surgiu na música da Grécia antiga e começou a se desenvolver nos outros movimentos artísticos da Europa, mas isso é apenas a história da música no ocidente.
Não é possível afirmar exatamente como e quando a música surgiu, já que surgiram tantos gêneros que a história da música acabou se separando em várias subdivisões.
A música, em muitas crenças, não era usada que nem hoje em dia como hobbie, mas sim para rituais religiosos, mas a música é e sempre foi uma arte, não só um passatempo ou coisa assim, ela deve ser usada e apreciada com dignidade, se expressar e não discutir com seus problemas, mas cantá-los e usá-los em forma de arte, isso é a música!
Nos tempos posteriores á idade antiga, muitos gêneros novos surgiram ( e quando digo muitos é MUITOS MESMO!), tais quais os que conhecemos hoje em dia.
No século XX, tornou-se possível gravar as músicas e expandi-las por meio do rádio, que tornou possível a fama nacional e internacional de muitos cantores, tornou-se possível ouvir e reouvir as músicas, e ainda com o surgimento dos instrumentos eletrônicos e do sintetizador novos gêneros nasceram, revolucionaram a música popular e fundiram os sons dos diferentes continentes, que antes eram separados pelo seu gênero.

 

Música para o coração

 

 

Ritmo, melodia e harmonia podem fazer o peito bater mais forte e feliz. Não é só papo de gente romântica, não. É a medicina de ponta que comprova e prescreve esse benefício

Pode ser a batida pop de Sting, a cadência dos sambas de Cartola, as sinfonias de Mozart ou ainda os tangos com incorporações de jazz de Astor Piazzolla. Não importa. Basta ouvir aquela música preferida para que uma cascata de emoções positivas venha à tona, fazendo a gente reviver dez, cem, mil vezes uma situação prazerosa. Amplificações à parte, o que um estudo da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, acaba de provar e apresentar para a Associação Americana do Coração é que aquelas canções consideradas especiais para um indivíduo têm efeito direto sobre a saúde cardíaca. 

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores resolveram medir, por meio de ultrassom, o diâmetro dos vasos sanguíneos no braço de dez voluntários saudáveis e não fumantes logo após uma sessão com suas músicas prediletas. Os participantes, no entanto, tiveram de se submeter a um jejum musical durante os 15 dias anteriores à medição, tudo para intensificar o impacto do estímulo sonoro na hora do experimento. 

No dia D, foi pedido a eles que levassem os hits que mais lhes causavam contentamento — o estilo country, o sertanejo à americana, foi disparado o mais escolhido na experiência. Depois de 30 minutos ao som das canções, os cientistas observaram um aumento de 26% no calibre dos vasos, um resultado bastante expressivo — para ter uma ideia, um vídeo com o mesmo tempo de duração e tiradas bem-humoradas provocaram uma dilatação de 19%. Ainda a título de comparação, audiotapes para induzir ao relaxamento causaram uma distensão de 11%. Já a barulheira do heavy metal deixou os vasos 6% mais estreitos e os voluntários, ansiosos. 

Mas por que a música cala fundo no coração? "Acreditamos que esse tipo de estímulo provoque a liberação de substâncias protetoras, como o óxido nítrico, que dilata os vasos", explica aSAÚDE! o cardiologista Michael Miller, um dos autores do estudo. "Além disso, o óxido nítrico reduz a formação de coágulos e o endurecimento das artérias", conclui o médico, um fã confesso de jazz. 

Essa molécula benéfica é secretada pelo endotélio, a camada que reveste internamente os vasos. Daí, não é de estranhar que o trabalho também tenha investigado como esse tecido reage às notas sonoras. O aumento do calibre arterial permite que o sangue circule com mais facilidade, o que contribui para abaixar a pressão e levar uma maior quantidade de oxigênio para o corpo todo. "E, quanto maior a oxigenação das células, melhor o funcionamento do cérebro, do coração e do sistema imunológico", explica o neurologista e maestro Mauro Muszkat, da Universidade Federal de São Paulo

O efeito benéfico da música começa a reverberar primeiro na massa cinzenta para, em seguida, se refletir no coração. "Ela aumenta a produção de endorfina e serotonina, substâncias produzidas no cérebro e responsáveis pela sensação de prazer, faz diminuir a liberação de cortisol, o hormônio do estresse, e, por fim, regula a frequência cardíaca", diz Muszkat, que também é coordenador do In Music, grupo de cientistas da Unifesp que estuda a ação da música sobre o corpo. 



Quer ouvir mais uma vantagem de manter o MP3 ligado? No início de 2008, um estudo publicado na importante revista científica inglesa The Lancet revelou que a música contribui para a reabilitação de indivíduos que sofreram derrame. Mas que tipo de som? De novo, o que estivesse ao gosto do freguês. Entre os 60 pacientes acompanhados por dois meses, aqueles que escutaram composições do gênero "minhas preferidas" apresentaram memória verbal e atenção significativamente melhores do que o grupo que era só ouvidos para audiolivros. 

Outra boa notícia: o tempo exato de audição capaz de manter o coração e a mente em paz está longe de ser uma coisa do outro mundo. "Um estudo do Instituto de Montreal, no Canadá, mostrou que a exposição constante ao estímulo, por pelo menos duas horas diárias, já produz benefícios para a saúde em três ou quatro dias", revela Muszkat. O pesquisador americano Michael Miller é mais contido na prescrição da dosagem. 

"De 20 minutos a meia hora de música agradável, várias vezes por semana, já é uma boa pedida", recomenda.

Além de fazer bem para a alma, música ajuda no tratamento de algumas doenças

  • Pesquisa comprovou que ouvir música pode ter efeitos benéficos no tratamento de dores crônicas

Quem nunca gritou de alegria quando começou a tocar sua canção preferida? Ou então se sentiu mais animado depois que ouviu aquela música alegre? Ou ainda colocou uma musiquinha calma só para relaxar? Pois é, dá pra sentir que a música faz bem para a alma. O legal é descobrir que ela também faz bem para o corpo, ajudando inclusive no tratamento de várias doenças. É isso que faz a musicoterapia.

Dá pra sentir no corpo as alterações que a música causa: dependendo do ritmo, a respiração se torna mais calma ou mais ofegante, a pressão sanguínea aumenta ou diminui, os batimentos cardíacos se tornam mais fortes ou mais leves. E isso já foi comprovado em vários estudos, como os divulgados pela American Music Therapy Association-AMTA, dos Estados Unidos, e pela World Federation of Music Therapy-WFMT, localizada em Gênova, na Itália.

Além disso, a música fala diretamente ao sistema límbico do cérebro (região responsável pelas emoções, pela motivação e pela afetividade), contribuindo para a socialização e até mesmo aumentando a produção de endorfina. Por isso, pode ser usada no combate à depressão, ao estresse, à ansiedade; no alívio dos sintomas de doenças como hipertensão e câncer; e no tratamento de pacientes com dores crônicas.


  • A música ou o ritmo escolhido é aquele que vem da solicitação do paciente, do usuário ou do aluno

Terapia da música

Reconhecendo todo esse poder terapêutico da música é que surgiu a musicoterapia. A prática, que utiliza músicas, sons e movimentos com fins terapêuticos, já é adotada em diversos hospitais, clínicas e centros de reabilitação para a integração física, psicológica e emocional.

“No Brasil, a maioria das APAEs e Centros de Reabilitação utilizam a musicoterapia como parte de seu trabalho. Ela vem sendo implantada nos Centros de Referência de Assistência Social e nos Centros de Atendimento Psiquiátrico para adultos e crianças, e também nos Hospitais e Centros de Neurologia, em ONGs e em escolas especiais”, aponta a musicoterapeuta Magali Dias, secretária geral da União Brasileira de Associações de Musicoterapia-UBAM.

A musicoterapia ainda é utilizada em empresas, para melhorar o desempenho dos funcionários, em spas, para auxiliar na redução da ansiedade, em escolas, ajudando na concentração e no aprendizado dos alunos, e em centros de atenção aos idosos, contribuindo para a socialização e para a prevenção e tratamento de doenças.



Trilha sonora

Um dos pontos mais interessantes da musicoterapia é que não há uma receita pré-definida de tratamento. A terapia é estabelecida em conjunto com o musicoterapeuta e o paciente, de acordo com suas necessidades e seus objetivos. E é o próprio paciente que escolhe as músicas, segundo seu próprio repertório pessoal. Isso permite que tenha uma maior interação com suas emoções e, caso a terapia seja em grupo, a aproximação com o coletivo.

“A música ou o ritmo escolhido é aquele que vem da solicitação do paciente, do usuário ou do aluno. Não existe uma música para isto ou para aquilo outro. A música tem que ter significado para quem a escuta e trabalha com ela”, destaca Magali.

Muitas pessoas acreditam que há um ritmo certo para cada função: relaxar, animar, ou até ajudar a se concentrar. Mas não é bem assim. O repertório pode ser variado, indo do rock ao jazz, passando por moda de viola ou MPB. Isso porque as músicas são escolhidas pelo paciente, e vão depender do seu gosto.

“As músicas só fazem efeito se elas têm uma conexão especial para quem as ouve. Podemos usar diferentes tipos de ritmos, do erudito ao rock. Não há uma regra preestabelecida e nem uma receita pronta dizendo use tal ritmo para isso ou aquilo, mas sim uma sintonia entre cliente e profissional”, afirma Cláudia Murakami, pedagoga e musicoterapeuta da Vita Clínica.

Depois de estabelecido o repertório, o tratamento é feito em uma sala especial, com acústica adequada, e as sessões (individuais ou em grupo) incluem música e recursos sonoros variados como vozes, instrumentos e ruídos. O musicoterapeuta avalia então a reação do paciente diante de cada som, documenta tudo e vai comparando os resultados com seu projeto inicial. Os resultados, de acordo com os profissionais, já podem ser sentidos logo após dez dias.

Música no combate a doenças



A musicoterapia vem sendo muito utilizada no combate ao estresse. Isso porque, como fala diretamente ao emocional, ela ajuda a relaxar e promove uma sensação de bem-estar. “A música, quando é relaxante para a pessoa, ajuda muito a combater não somente o estresse, mas também ansiedade, angústia, depressão e insônia, pois faz com que o cérebro libere endorfinas e serotoninas, proporcionando prazer e sensação de bem-estar”, explica Cláudia.

Além disso, um estudo apresentado este ano na American Society of Hypertension-ASH, apontou que a música pode até mesmo baixar a pressão arterial e o ritmo cardíaco – o que traria outros benefícios além do relaxamento, como ajudar no tratamento de hipertensos e atuar na prevenção de doenças cardiovasculares.

A música também vem sendo uma grande aliada no tratamento da dor. Pesquisa realizada pela Cleveland Clinic Foundation, nos Estados Unidos, comprovou que ouvir música pode ter efeitos benéficos no tratamento de dores crônicas, como as causadas pelo câncer. Por isso a musicoterapia já está sendo usada pelo Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer-GRAAC como parte do tratamento.  “O que ocorre é a troca do foco da dor, ou seja, afasta-se da mente a sensação de dor e diminui-se gradativamente a ansiedade que a dor provoca no paciente”, explica Cláudia.

Apesar de ouvir música ser prazeroso e relaxante, é importante ressaltar que não dá pra fazer musicoterapia sozinho em casa. Isso só é alcançado com o trabalho com um profissional. “Só um musicoterapeuta pode conduzir uma sessão de musicoterapia, senão será apenas uma recreação com música. Nossa formação é voltada para que tenhamos todas as ferramentas teóricas e práticas para desenvolver este trabalho”, enfatiza Magali.

Mesmo sem efeitos terapêuticos, ouvir música apenas por lazer ou relaxamento também tem efeitos benéficos. Como cada pessoa tem seu próprio repertório musical (aquelas músicas que de alguma forma marcaram nossa vida) é possível fazer uma coletânea com as que lembram momentos especiais e prazerosos (como o primeiro beijo, aquela viagem inesquecível, o nascimento de um filho) e ouvir em casa, no trânsito, ou mesmo durante uma pausa no escritório. Especialistas apontam que isso ajuda – e muito – a restabelecer a calma e o bem-estar.

  • É possível fazer uma coletânea com as canções que lembram momentos especiais e prazerosos como o primeiro beijo, o nascimento de um filho ou uma viagem inesquecível

 

 Assistir a filmes de terror ajuda a queimar calorias

Estudo aponta que a liberação de adrenalina ajuda a queimar 113 calorias ao assistir a um filme de terror

 

Quanto mais assustador for o filme, mais calorias serão queimadas.
Crédito: Wikipedia

 

Quem deseja entrar em forma de maneira confortável e quase sem sacrifício precisa somente ligar a televisão e assistir à programação especial do Dia das Bruxas. Tudo isso graças a um estudo que sugere que filmes de terror ajudam seus telespectadores a emagrecer.

 

Segundo os pesquisadores da Universidade de Westminster, no Reino Unido, a descarga de adrenalina liberada enquanto assistimos a um filme de terror de 90 minutos é suficiente para queimar cerca de 113 calorias. De acordo o site DVICE, isso é o equivalente a uma caminhada de meia hora ou a uma barrinha de chocolate.

 

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores monitoraram o gasto de energia de dez pessoas diferentes enquanto elas assistiam a diversas produções assustadoras. Foram feitos registros da taxa de batimento cardíaco, consumo de oxigênio e liberação de gás carbônico, e tudo isso levou à conclusão de que a queima de calorias aumentou, em média, 1/3 durante a exibição dos filmes de terror.

 

Saiba quais filmes queimam mais calorias

 

O líder da pesquisa e especialista em fisiologia e metabolismo, Dr. Richard Mackenzie, afirmou que são as cenas de susto que tornam esse feito possível. De acordo com o cientista, o nosso corpo fica em alerta quando estamos com medo, acelerando o batimento cardíaco e aumentando a produção de adrenalina. Isso aumenta a taxa metabólica, diminui o apetite e queima calorias.

 

"O Iluminado", de Stanley Kubrick, foi o filme que mais queimou calorias.
Crédito: Reprodução/Warner Bros.

 

Confira abaixo o ranking dos filmes utilizados na pesquisa de acordo com a quantidade de calorias que seus telespectadores queimaram:

 

  1. “O Iluminado”: 184 calorias;
  2. “Tubarão”: 161 calorias;
  3. “O Exorcista”: 158 calorias;
  4. “Alien”: 152 calorias;
  5. “Jogos Mortais”: 133 calorias;
  6. “A Hora do Pesadelo”: 118 calorias;
  7. Atividade Paranormal”: 111 calorias;
  8. “A Bruxa de Blair”: 105 calorias;
  9. “O Massacre da Serra Elétrica”: 107 calorias;
  10. “[Rec]”: 101 calorias.

 

E lembre-se: se a ideia é queimar calorias, nada de sentar em frente à TV com uma caixa de bombons ou 2 litros de refrigerante comum. Caso contrário, não há maratona de Dia das Bruxas que dê conta do recado.

 

 

 


 

REVENDEDORA AVON ...

FAÇA SEU PEDIDO !!!

 http://www.facebook.com/solange.chaparim

 

 
 

 

 

 

 

 

Será que o uso de cinta deixa a cintura mais fina e modelada

Gostaria de estar com a barriga em forma e com a cintura modelada? Confira se o uso de cinta deixa a cintura mais fina e modelada.

Barriga em forma.

Estar com o corpo modelado e sempre no peso certo é o sonho de muitas mulheres. Para  as que estão acima do peso o sonho é conseguir perder o peso de maneira visível  e com o corpo modelado, algumas, mais magras, o problema já não é tanto o peso, mas o formato da cintura mais modelada, a barriga… Sem contar após uma gravidez, aquela barriguinha que não some e ainda parece que não diminui, é normal, mas é muito mais fácil resolver todos esses problemas com a ajuda da cinta para ter uma cintura modelada. Não é novidade, ter uma cintura fina e modelada é o sonho de toda mulher brasileira.

Cinta para diminuir barriga e cintura

Cintura com corpete.

Academia, exercícios físicos e boa alimentação, são fatores que contribuem muito para ter uma cintura modelada. O uso da cinta é muito importante para ter uma cintura modelada, pois para que quando os quilinhos forem sendo perdidos, a pele não fique caída. Sempre que perdemos peso alguma coisa cai, principalmente a barriga. É muito indesejável e nada satisfatório para a mulher andar com a barriguinha fora da calça, é claro que se desse pra escolher todas teríamos a barriga magra e cintura fina e modelada. O uso da cinta deixa a cintura ficar apertada, deixando a cintura modelada, dessa maneira, os ossos ficam mais juntos como se fosse um aparelho nos dentes, por isso não resolve se a cinta ficar confortável no corpo. Os benefícios são  otimos como afinar a cintura perder alguns centímetros de quadris e o aumento da autoestima. Nos primeiros dias será um incômodo, é claro, a cinta vai estar apertada para deixar a cintura modelada, e nada de resolver tirar.

Cinta pós-gravidez

Cinta pós-gravidez.O uso da cinta para deixar a cintura modelada auxilia muito para que a barriga da mamãe volte ao normal. É claro que na hora não será possível vestir a cinta, pois o corpo estará muito inchado e sensível. O indicado para as mamães é que usem a cinta pós-parto e para deixar a cintura modelada, uma semana depois do parto.

Ajuda na escolha da cinta: Mulheres que não tem bebê podem usar só na cintura, porém mulheres que tem a barriguinha de uma gravidez devem usar cinta para deixar a cintura modelada que tenha a parte de baixo, tipo shortinho ou calcinha. É importante por que se não tiver a parte de baixo para segurar, a barriga da gravidez descerá toda para baixo, fazendo com que o corpo fique com gordura acumulada na parte íntima da frente e para resolver, só cirurgia. Nos primeiros dias será ruim, mas com o tempo o corpo acostuma e ruim será ficar sem ela.

Quando devo usar a cinta

Cinta na barriga.O uso da cinta, para deixar a cintura modelada deve ser constante, acompanhado de uma boa alimentação e em alguns casos exercício físico, os mais diretos para o abdômen. O problema mais frequente que mais se ouve as mulheres se queixando é quanto ao calor e como ficar apertada e com cinta para deixar a cintura modelada durante um dia de calor?

Vai usar cinta para diminuir barriga e deixar a cintura modelada? Escolha uma estação adequada, você pode todos os anos no outono e inverno usar a cinta todos os dias. Agora se você vai usar uma cinta pós-gravidez, o melhor é usar pelo menos uma semana depois, se demorar muito a flacidez da barriga não voltará. Após uma gravidez, o corpo da mulher tem um ano para se recuperar e perder a barriga, esses doze meses será o período mais fácil da mulher conseguir voltar ao seu corpo normal, mas sem pressa, deixe o corpo desinchar e depois comece a se cuidar novamente.

O uso de qualquer cinta para deixar a cintura modelada deve ser de cinco horas por dia para que faça efeito. Nada de dormir com a cinta para deixar a cintura modelada, pois o uso dela diminui a pressão sanguínea, com isso o sangue não passa tão rapidamente pela região apertada. Isso não afeta nada se for usada durante o dia por que durante o dia o corpo se movimenta e à noite não, podendo causar falta de circulação no corpo e marcas roxas na área, no mínimo, causar estrias.

 


 

Suar emagrece mito ou verdade

Muitas pessoas praticantes de atividades físicas acabam por forçar a transpiração acreditando que com isso emagrecerão mais…

 

Suar emagrece mito ou verdade

Muitas pessoas praticantes de atividades físicas acabam por forçar a transpiração acreditando que com isso emagrecerão mais rápido, porém isso não passa de um mito, pois suar não emagrece.
A transpiração nada mais é que o resultado da intensidade dos exercícios praticados mais a temperatura e umidade do ambiente, sendo assim quanto mais exercícios você praticar em dias de calor intenso, maior será a transpiração, ou seja, o suor é a eliminação de água pelo organismo, justamente por isso muitas pessoas acabam interpretando o suor de forma equivocada, pois caso você suba na balança logo após uma série de exercícios intensos ou após a sauna, notará uma redução do peso corporal, mas basta ingerir um copo de água para repor o líquido perdido, voltando assim ao seu peso normal.
Portanto concluímos que emagrecer não é perder água, para haver emagrecimento é preciso eliminar gordura corporal.
O suor é uma reação do nosso organismo ao tentar manter estável a temperatura interna do nosso corpo, quando a temperatura ultrapassa 37ºC automaticamente entra em ação o mecanismo de refrigeração através do suor, por isso os especialistas recomendam o uso de roupas leves ao praticar qualquer tipo de atividade física, para que a transpiração ocorra sem impedimentos, caso contrário o organismo pode sofrer uma grande fadiga por não conseguir liberar adequadamente o suor, levando a desidratação, quedas de pressão e até mesmo desmaios.
Vale ressaltar que a transpiração não leva a desintoxicação do organismo, pois a principal substância eliminada pelo suor e água.
Durante as atividades físicas para evitar cãibras, mal estar, melhorar o rendimento físico e não correr o risco da desidratação não deixe de ingerir água, antes, durante e após os exercícios, dessa forma o corpo libera o calor em forma de suor sendo reposto o líquido perdido pela ingestão de água. Durante os exercícios tome água em pequenas quantidades, em tempos espaçados para não pesar no estômago.
Além da água são recomendadas também bebidas isotônicas que hidratam mais rapidamente o organismo que a água, porém devem ser usadas com restrição e somente por praticantes de atividade física que exijam mais que uma hora de atividade intensa e acelerada. Já pessoas hipertensas, diabéticas e que retenham com facilidade líquidos, devem consultar um médico antes de optar pelo uso de isotônicos.
Porém outra opção é a água de coco que dentre os inúmeros benefícios que esse líquido oferece a saúde, repõe rapidamente os sais minerais perdidos devido à transpiração.
Lembre-se, ao praticar qualquer atividade física é fundamental respeitar os limites do seu corpo, não exija mais do que ele possa oferecer, pois para que a atividade física seja benéfica a saúde, esta deve estar sempre associada ao prazer e bem estar e jamais ao sofrimento.

 

 


 

Laranja reduz o stress em 67% e ainda melhora o humor

Que laranja tem vitamina C, todo mundo sabe. Que ela previne gripes e resfriados também. O que pouca gente sabe é que ela é excelente para reduzir o stress

São Paulo - Embora não pareça, o stress do dia-a-dia não é brincadeira. Afinal, a vida moderna está cada vez mais corrida e nos exige coisas que nem poderíamos sonhar há 100 anos. Estudos mostram que hoje em dia uma pessoa chega a trabalhar até dez vezes mais do que no passado, somando mais de um emprego, dormindo cada vez mais tarde, ou simplesmente trazendo trabalho para casa e passando horas e horas na frente de computadores, tablets e smartphones. O fato é que toda esta tecnologia acabou deixando o homem cada vez mais "conectado" com o mundo que o cerca, incluindo trabalho, obrigações, excesso de informações e preocupações.

As consequências do stress

Todo mundo já sabe que o stress mata. Infarto do miocárdio, AVC, hipertensão, diabetes, câncer, obesidade e depressão são apenas algumas dasdoenças que podem estar relacionadas ao stress crônico. E não é só isso. Uma pessoa estressada tende a se alimentar mal, nunca tem tempo para se exercitar e ainda tende a ter problemas em seus relacionamentos afetivos e profissionais. Afinal, quem consegue permanecer ao nosso lado quando estamos com os nervos à flor da pele?

Laranja-doce em cápsulas reduz o stress em 67% e melhora o humor após três horas

Pensando nisso, cientistas franceses desenvolveram um novo extrato de laranja-doce, popularmente conhecida como laranja-lima. "Os estudos comprovaram que ela tem a capacidade de reduzir o stress em 67%, reduzir a resposta a dor em 50% e ainda melhorar significativamente o humor após três horas da ingestão do extrato", comenta o Prof. Maurício Pupo, consultor técnico da Almaderma. E, ainda segundo os cientistas, a sensação de bem estar é tão grande que os pacientes tiveram sua curiosidade aumentada em 144% e a execução de atividades espontâneas aumentada em 37%. Então, além de reduzir o stress, este extrato ainda ajuda a combater alguns sinais da depressão.

Como tomar o extrato de laranja-doce

O novo extrato de laranja-doce é capaz de trazer uma marcante melhora no humor e uma sensação de tranquilidade logo após três horas do uso. Além disso, o nervosismo é reduzido em 67% e até a sensação de dor se reduz em 50%. Portanto o ideal é tomar uma cápsula do produto sempre que se sentir nervoso, ou então sempre num determinado horário do dia. Pela manhã para passar o dia bem, tomar antes de uma situação tensa como reuniões, provas, entrevistas e vestibular, ou ainda tomar após o jantar para ter uma tranquila noite de sono.

 

Outras medidas para reduzir o stress e viver melhor

Pratique yoga, faça acupuntura e cromoterapia, durma oito horas por dia, procure dormir mais cedo e fuja de situações conflituosas. Respeite seus finais de semana e pratique meditação.

 

Benefícios da Laranja

Há muito que comer laranja deixou de ser um privilégio dos meses de Janeiro a Maio. Hoje em dia, comer este fruto é uma regalia de todos os meses do ano, a uma preço razoável e sob diferentes formatos. E se no Inverno a laranja é uma aliada contra gripes e constipações, no Verão ajuda a manter o peso!

Para além do pequeno-almoço, os lanches são óptimos momentos para ingerir fruta! Ainda para mais, a laranja possui um baixo valor calórico (cem gramas de laranja fornecem aproximadamente 50 calorias) pelo que é recomendada nos planos de controle de peso.

No caso da laranja, este fruto é um fornecedor por excelência de vitamina C (cem gramas de laranja fornecem aproximadamente 60 mg de vitamina C, a dose diária recomendada desta vitamina). Mas as boas notícias continuam, uma vez que este citrino alaranjado é rico em sais minerais (ácido fólico, potássio, cálcio, ferro, magnésio e fósforo) e fibras. Por outro lado, ajuda também a reforçar as defesas do organismo.

O betacaroteno, o fitonutriente que confere a cor à laranja, assegura a este fruto um alto nível de protecção antioxidante. A acção da pectina, fibra solúvel (encontrada principalmente entre os gomos da fruta (nas membranas, parte branca) ajuda ainda a controlar os níveis de colesterol do sangue. Mas há outros benefícios a tirar do consumo de laranja.

Assim, para além da vitamina C, que aumenta a protecção contra as infecções, existem outros benefícios a ter em conta: Facilita a digestão e a função intestinal uma vez que as propriedades da laranja activam a acção das glândulas que segregam o suco gástrico além de auxiliar no funcionamento intestinal devido ao seu alto teor em fibras solúveis. Sendo um fruto com apreciável quantidade de cálcio, o seu consumo ajuda a manter a estrutura óssea, melhorando a construção muscular e a coagulação do sangue. A sua vitamina C reduz ainda os danos causados pela acção dos radicais livres, apadrinhando um aspecto jovial por mais tempo! Como vê, só bons motivos para não se esquecer da laranja!!!

 


 

 

Consequências do estresse no organismo

O estresse caracteriza-se pela pressão sofrida todos os dias de forma ininterrupta, por um chefe autoritário, por…

Consequências do estresse no organismo

O estresse caracteriza-se pela pressão sofrida todos os dias de forma ininterrupta, por um chefe autoritário, por excesso de responsabilidades ou por medo de que aconteça alguma coisa, essa pressão constante pode ser a porta aberta para diversas doenças que podem se manifestar de diversas formas, variando de pessoa para pessoa. Devemos entender que não são apenas as situações ruins que nos deixam estressados, todas as grandes transformações pelas quais passamos sejam boas ou más, podem desenvolver estresse.
O estresse tem estreita relação com o sistema imunológico, nervoso e endócrino, por isso o quando crônico desencadeia uma séria de doenças das quais muitas pessoas já tem predisposição, o estresse intenso pode causar desde dores pelo corpo até quadros mais sérios como doenças cardíacas e hipertensão, conheça os males que o estresse pode causar:
>> HIPERTENSÃO, a adrenalina sentida por um longo período, decorrente a situações estressantes, pode acelerar o ritmo do coração aumentando a pressão arterial de forma irreversível.
>> TRANSTORNOS MENTAIS, caso haja uma predisposição a algum distúrbio psiquiátrico, como ansiedade, síndrome do pânico, depressão ou esquizofrenia, o estresse crônico pode ser um acelerador para o desenvolvimento destes quadros.
>> INSÔNIA, costuma ser o primeiro sinal de estresse crônico, pois o cortisol é produzido em excesso, impedindo a pessoa de ter um sono tranquilo, por isso esteja atenta a insônia.
>> QUEDA DO SISTEMA IMUNOLÓGICO, ao vivenciar um estresse prolongado há uma baixa na imunidade o que acaba facilitando o surgimento de muitas infecções.
>> PROBLEMAS GÁSTRICOS, o estresse também pode levar a muitas complicações digestivas como gastrite, diarréia, refluxo, colites, entre outros.
Fisicamente o estresse crônico pode se manifestar por dores de cabeça, dores musculares, indigestão, taquicardia, insônia, mudança no apetite, queda de cabelo, dermatoses e um esgotamento físico intenso que não condiz com as atividades desenvolvidas durante dia.
Psicologicamente ele apresenta apatia, tiques nervosos, memória fraca, sentimento de perseguição descabido, isolamento, introspecção, desmotivação, irritabilidade, autoritarismo, ansiedade e emotividade acentuada.
De uma forma geral, nosso organismo consegue se adaptar as diversas mudanças e transformações que ocorrem ao longo de nossa vida, desde que estas transformações não sejam frequentes, quando repetitivas seus efeitos em nosso organismo se multiplicam ocasionando um desgaste muito sério, ao notar qualquer um destes sintomas procure um médico para um possível diagnóstico, evitando assim o estresse e todos os males que o acompanham.


 

 

 

250x250 2     

Dicas e truques para o dia a dia

 

Quase todas nós um dia já ouvimos alguma dica ou um truque dado por nossas tias e…

          

Quase todas nós um dia já ouvimos alguma dica ou um truque dado por nossas tias e avós para facilitar ou até mesmo resolver pequenos inconvenientes que surgem em nosso dia a dia. Pensando nessas dicas, fomos pesquisar mais acerca do assunto e encontramos algumas soluções práticas e fáceis que podem nos ajudar em situações de emergência, confiram algumas delas:

>> Roupa amarrotada
Para os momentos de emergência que não temos tempo de usar o ferro de passar roupa, experimente usar a técnica do vapor enquanto toma seu banho, para isso feche a janela e a porta do banheiro e pendure a peça de roupa próxima ao box. A umidade e o vapor ajudarão a tirar o amarrotado da roupa, para finalizar e melhorar ainda mais, retire a peça do banheiro e a estique sobre a cama, passando a mão pelo tecido, iniciando pelo centro indo em direção as bordas.

>> Alças compridas demais
Para esse problema a solução temporária chama-se fita crepe, que pode ser usada para muitas finalidades, pois além de ajustar alças compridas ainda pode ajudar a remover bolinhas das roupas, por isso procure ter uma sempre por perto. Para ajustar a alça basta que dobre por dentro o excesso de tecido, prendendo com um pedaço de fita crepe, mas esteja atenta quanto ao tipo do tecido, pois esse truque funciona melhor em tecidos leves.

>> Roupa cheia de bolinha
Para remover as bolinhas em roupas mais grossas como as de lã, por exemplo, use um aparelho de barbear, basta esticar bem a peça e passar a lâmina sobre o tecido, porém tanto o tecido quanto a lâmina devem estar extremamente secas, já para tecidos mais leves e finos como o viscose, por exemplo, use a fita crepe. Basta cortar um pedaço, unir as pontas formando um círculo, deixando o lado com cola para fora e passar por toda a peça, use esse truque para remover pelos e cabelos das roupas também.

>> Zíper emperrado
Nos momentos mais impróprios e geralmente quando estamos com mais pressa o zíper daquela calça jeans favorita emperra, para resolver o problema experimente usar vela ou até mesmo um bastão de giz de cera, esfregando no dentes do zíper no lado interno e externo, puxando-o para cima, caso o zíper emperre na rua, não se desespere, basta usar hidratante ou algum outro produto oleoso.

>> Meia calça desfiada
Bases para unhas não servem somente para protegê-las do esmalte, acredite, um vidro de base incolor pode salvar sua meia calça! Ao perceber que a peça está desfiando, pingue uma pequena gotinha da base em direção ao fio que está desfiando, dessa forma você evita que a peça rasgue, o que seria totalmente deselegante.

>> Roupa tomara que caia
Apesar do nome sugestivo, não é nada agradável usar uma peça que escorrega o tempo todo e não para no lugar. Para solucionar esse problema use fita dupla face, basta colar a fita na borda da roupa para segurar o decote por muito mais tempo, porém um alerta, para esse truque não use hidrante corporal, pois o produto impede que a fita cole no corpo.

Esperamos que as dicas sejam úteis e caso conheçam mais sintam-se a vontade para comentarem em nosso blog, facilitando assim a vida de muitas mulheres.

 


 

Dicas para controlar a ansiedade

A ansiedade é um problema que aflige várias mulheres. Embora seja uma característica normal do ser humano,…

A ansiedade é um problema que aflige várias mulheres. Embora seja uma característica normal do ser humano, ela pode se acentuar com o passar do tempo. Viver em constante pressão ou com medo de algo faz parte das características de ansiedade. A ansiedade pode prejudicar relacionamentos, pois faz com que a pessoas tenham medos irreais e desnecessários, sufocando assim, aqueles que estão próximos com desconfiança e com seus medos. Uma das coisas que leva as pessoas a sofrer de ansiedade são as mudanças. Mudança de casa, mudança de emprego, casamento, toda e qualquer situação que cause tensão. A ansiedade faz com que as pessoas estejam na maior parte do tempo, nervosas, apreensivas, com baixa concentração e reflexão. Tem também o poder de agravar problemas de saúde, como doenças crônicas, alergias e dermatites, devido ao estresse que ela submete a pessoa. Uma das atitudes comuns de pessoas que sofrem de ansiedade é agir de um modo que possam fugir de seus problemas. Para controlar a ansiedade é preciso força de vontade e um auxílio por meio da psicoterapia. Um tratamento com um psicólogo, medicações se necessário e força de vontade, pode ser o suficiente para eliminar a ansiedade, ou pelo menos amenizá-la. É assim por que muitas vezes a ansiedade se deve a forma como a pessoa foi criada, o ambiente em que passou a vida toda, se foi um ambiente de constante tensão, os problemas da ansiedade só poderão ser amenizados realmente com um tratamento psicológico. Também traumas como perdas de pessoas queridas pode levar a vitima a sofrer de ansiedade ou depressão. A ansiedade deve ser tratada, para que a pessoa aprenda a controlar, afinal, ela pode ser muito prejudicial para a sua saúde e vida pessoal.

 

Aprenda a como controlar o estresse e a ansiedade

 

O estresse é algo que já está fazendo parte da vida de muitas pessoas do mundo inteiro….

 

Aprenda a como controlar o estresse e a ansiedade

 

O estresse é algo que já está fazendo parte da vida de muitas pessoas do mundo inteiro. Isso faz com que o nosso organismo libere radicais livres, os quais destroem as nossas células e fazem com que fiquemos ainda mais velhos. Mas, se você está atrás de algo que te ajude a controlar o estresse e acabar de vez com este mal, encontrou. Veja aqui a técnica de alívio mental e físico que irá te ajudar a se livrar de vez desta tensão em um período bem curto. O estresse já se tornou um mal do século XXI. Para acabar com isso um cientista descobriu algo que promete ajudar a maioria da população do século XXI que o cientista chamou de IBMT (Integrative Body-Mind Training) que traduzido para o português fica Treinamento de Integração para o corpo e mente. O cientista já vem estudando isso desde 1995. Esse novo método promete abaixar o estresse em apenas cinco dias com apenas vinte minutos de pratica por sessão. Quando estamos estressados e ansiosos e quanto maior é este nível a pele fica mais elétrica e as extremidades como, por exemplo, as mãos ficam mais frias. Isso ocorre porque o sangue vai direto para o centro do corpo como musculaturas e coração. O processo que é responsável pelo alívio da sensação de estresse nada mais é do que a meditação com quatro tópicos: música calma no fundo, relaxamento corporal, controle da visualização e também da respiração e pensamento em locais e coisas boas. É algo extremamente importante e muito bom, pois é algo que todos podemos praticar. Para acabar de vez com este problema é só praticar a meditação durante vinte minutos diários com muita paz e dedicação, sempre pensando em seu bem estar e que com o controle de tudo você sempre se sairá muito bem. Normalmente o nosso organismo demora cerca de dez minutos só para se centrar e se estabilizar. Se for realizar a meditação em sua própria casa é indicado fazer também uma respiração abdominal.

 


 

Consumista, eu?

 

Atos excessivos de compras podem ser alerta para uma doença psicológica. Saiba as características dessas pessoas e se você enquadra nesse perfil 

Ao ver uma vitrine os olhos brilham e, mesmo sendo um item que já possui ou que não tem necessidade de comprá-lo no momento, entra na loja e só sai dela quando está com a sacola na mão. A sensação de prazer ao fazer esse ato todas as vezes que passeia em algum comércio pode não ser uma simples compra de um objeto. Muitas vezes, essa situação caracteriza-se no chamado Transtorno do Controle de Impulso. 

Trata-se de uma doença na qual a pessoa tem ausência de controle sobre o próprio ato e, muitas vezes, a compra gera arrependimento ou constrangimento posteriormente. “O consumista pode gerar prejuízo financeiro e a pessoa pode não conseguir saldar as dívidas com seus recursos, recorrendo, então, a empréstimos e outros artifícios bancários”, explica o psicólogo Fábio Passos, especialista em terapia comportamental e cognitiva pela USP. 

Características 
De acordo com o psicólogo e psicoterapeuta Marcelo Toniette, que atende em São Paulo, a pessoa que tem compulsão para as compras geralmente apresenta dificuldades emocionais, como ansiedade, autoestima baixa, carência, entre outros. “As compras, de certo modo, despertam na pessoa uma falsa sensação de compensação para essas dificuldades emocionais. A pessoa não admite ter algum problema, mesmo quando pessoas próximas a alertam sobre isso, pelo contrário, sempre que realiza mais uma compra, sente-se recompensada”, alerta o psicólogo. 

O resultado disso é que a pessoa perde a consciência de limites, inclusive da própria condição financeira. Ela acaba endividando-se, gerando uma série de consequências negativas para si e para as suas relações, aumentando ainda mais seus problemas emocionais.

Tratamento

No primeiro momento, o tratamento consiste em auxiliar a pessoa a admitir que tem o problema, pois, enquanto ela não admitir isso o tratamento fica inviável. Segundo Toniette, a partir dessa consciência, o foco é identificar fatores que levam a pessoa ao consumo exagerado. “Auxiliamos as pessoas e ajudamos a administrar os conflitos internos, quebrando a associação que faz entre o ato de comprar e o sentimento de gratificação”, diz. 

A base do tratamento é ajudar a pessoa a perceber que comprar não vai resolver conflitos internos, pelo contrário, que somente gerará ainda mais angústia e sofrimento.

O importante nesse momento é contar com o apoio da família e amigos. Sabrina dos Santos Patto, psicoterapeuta (Membro Certificado Clínico da UNAT Brasil – União Nacional dos Analistas Transacionais) diz que conversas auxiliam a pessoa a compreender que seu comportamento causa problemas para a família. Além disso, as pessoas próximas não devem assumir a dívida do outro.
O psicólogo Passos completa dizendo que uma pessoa próxima pode supervisionar os gastos desta pessoa que está comprando compulsivamente. “Pode até mesmo administrar suas finanças durante o período de intervenção, no qual ela está ainda treinando as habilidades necessárias para deixar de ter tal comportamento”, explica. 
Importante ressaltar que a pessoa compulsiva precisará sempre estar atenta, planejar e gerenciar seus comportamentos e atitudes com relação ao consumo. Ela não deve necessariamente ficar longe das lojas, mas precisa saber sobre seus conflitos internos e  que as compras não resolverão suas angústias. 

“A pessoa que está em tratamento deve planejar e organizar seu consumo e perceber o que é necessário e o que é supérfluo nas compras. Também deve ter o hábito de fazer uma planilha de gastos e despesas”, ressalta o psicólogo Toniette. 

Essas medidas tendem a auxiliar a pessoa a perceber suas reais necessidades, criando uma consciência dos próprios limites – e até limitações –, afastando-se dos comportamentos e atitudes impulsivos.

 

 


 

INSÔNIA

 

Não é fácil definir esse problema, que aflige cerca de um terço da humanidade. Isso porque, na realidade, a insônia não é uma doença, mas um sintoma de vários males. Para piorar, tem várias facetas. O caso clássico, aquele em que o indivíduo deita e não consegue pregar o olho, é apenas um tipo. Mas as pessoas que têm o sono picado ou acordam cedo demais também são consideradas insones. Outra pista para detectar as noites mal dormidas é despertar cansado com a sensação de estar em frangalhos. 

Há três formas de insônia. A mais comum é transitória e dura no máximo uma semana. O tipo intermediário pode durar até três. Mas ela torna-se crônica se ultrapassar esse período. Aí é hora de procurar ajuda. É fundamental investigar as causas do problema e tratá-lo pois uma boa noite de sono tem funções vitais para a saúde.

As noites mal dormidas são apenas a ponta de um iceberg. Por trás delas podem estar fatores emocionais como depressão ou ansiedade, conflitos familiares ou no trabalho, álcool, doenças que causam dor ou desconforto como a fibromialgia, problemas hormonais, Parkinson, Mal de Alzheimer, mudanças de fuso horário, hábitos inadequados, predisposição genética e até mesmo outros distúrbios do sono.

                                       

Conseqüências

Não se iluda: os efeitos das noites em claro vão muito além do cansaço no dia seguinte. É durante o sono que funcionam processos vitais. Veja o que acontece quando você dorme menos do que precisa:

 

• Cabeça - sonolento, o cérebro diminui a atividade. Isso compromete funções como a criatividade, a atenção, o equilíbrio e a memória. Além do humor, claro. Para se ter uma dimensão do problema, basta lembrar que as tragédias de Chernobyl e Challenger foram causadas por gente que estava caindo pelas tabelas.

• Ossos e músculos - cerca de 70% do hormônio do crescimento é secretado durante o sono. Nas crianças ele garante o ganho de peso e de altura. Nos adultos, responde pela renovação celular dos músculos e do esqueleto.

• Pâncreas - a produção de insulina despenca, atingindo níveis parecidos aos dos diabéticos.

• Coração e sistema digestivo - a falta de sono gera um efeito de estresse. O corpo produz, então, mais cortisol e adrenalina, os hormônios da tensão. Isso abre caminho para complicações cardíacas e digestivas. Essas substâncias também nocauteiam o sistema imunológico.

• Câncer - uma noite bem dormida ajuda a eliminar os radicais livres, moléculas que estão por trás de vários tumores e do envelhecimento precoce

Boa higiene do sono

Para dormir com os anjos

Veja o que os médicos consideram uma boa higiene de sono:

1. Mantenha um horário regular para adormecer e acordar, todo santo dia.

2. Vá para a cama somente na hora de dormir. Nada de ler, falar ao telefone ou comer entre os lençóis.

3. Cuide para que o ambiente seja agradável: deixe o quarto escuro e silencioso. Se possível, regule a temperatura.

4. Escolha um colchão adequado, nem rígido nem macio demais. Lembre-se que em nenhum outro momento do dia você fica tantas horas na mesma posição.

 

5. Fuja do café e de outros estimulantes como o chá preto, o mate e alguns refrigerantes, além do cigarro.

6. Nada de ficar planejando as tarefas do dia seguinte nem resolvendo problemas na hora de dormir.

7. Não se engane como o aparente efeito relaxante do álcool: ele é garantia de noites turbulentas.

8. Não faça exercícios à noite, pois eles acendem o organismo.

9. Não se empanturre no jantar nem coma perto da hora de deitar. A digestão praticamente pára enquanto dormimos.

10. Faça atividades relaxantes após essa refeição.

11. Não assista TV no quarto. Ela é uma fonte enorme de estímulos capazes de deixar a pessoa mais alerta.

Tratamento

Para voltar a dormir com os anjos, além de afastar as causas da insônia, é preciso mudar certos hábitos - o que os especialistas chamam de uma boa higiene de sono. Nos casos crônicos, o médico também pode indicar terapias para ensinar a relaxar e, às vezes, remédios. Mas atenção: nada de sair por aí engolindo pílulas por conta própria. As drogas devem ser usadas com muitíssima cautela porque provocam dependência e tolerância. Em pouco tempo o corpo acaba pedindo doses cada vez maiores para produzir o mesmo efeito. E não se esqueça: eles não tratam a causa do problema.

 

   

 

                                                    

As melhores soluções para aliviar as

olheiras

 Você sofre com as olheiras? Então, chegou a hora de conhecer as melhores

formas de amenizar a cara de cansaço

 Ninguém merece ficar com cara de cansaço 24 horas por dia. A culpa, claro, é das olheiras. Mas a notícia boa é que é possível amenizar os círculos escuros abaixo do rosto e dar uma levantada na expressão.

As causas das olheiras

· Anemia: Falta de nutrientes (como ferro, por exemplo) influencia a cor da pele.


· Medicamentos: Alguns tipos provocam a dilatação dos vasos sanguíneos.

· Cansaço: A vida acelerada faz com que a pessoa fique pálida, piora a circulação e deixa mais escuro o entorno dos olhos.

· Idade: Com o passar dos anos, o rosto fica mais flácido e transparente.

Amenize a cara de cansaço em casa!

· Experimente compressas de chá de camomila gelado (com algodão ou sachê do chá). Mesmo que não alterem a tonalidade da pele, que continua escura, elas melhoram o aspecto de cansaço.


· Coloque rodelas de pepino, elas ajudam a desinchar.

· Faça massagens ao redor dos olhos, isso ativa a circulação!

· Procure comer alimentos ricos em vitamina K (espinafre, brócolis, alface, couve, fígado de boi, aveia, leite, entre outros). Eles evitam o aparecimento das olheiras.

· Que tal descansar e dormir pelo menos oito horas por noite? Essa é a melhor receita para diminuir a aparência cansada e evitar a flacidez da pele.

· À noite, evite carboidratos, bebidas alcoólicas e cigarros. Esses hábitos congestionam a circulação do sangue perto dos olhos e escurecem a pele do local, por isso, as manchas aparecem bem mais fortes e com mais frequência.

Se você quiser investir...

Use cremes clareadores com nutrientes antioxidantes, hidratantes e colágeno. Para notar a diferença, o tempo mínimo de uso é de dois a três meses, se forem seguidas as instruções médicas. A carboxiterapia (aplicação de gás carbônico medicinal), que deixa a pele mais firme, e o preenchimento com ácido hialurônico, que afasta a pele dos vasos e diminui a transparência da pele, também são boas opções, mas podem custar até R$ 100* a sessão.

>> Confira algumas sugestões de produtos eficientes

Dica: Se for usar corretivo, aposte no de tom coral, que esconde as manchas azuladas, ou no amarelo, para as olheiras marrons.

 

 

                                                         CABELOS

Xampu: com ou sem sal?

Descubra se o componente é mesmo prejudicial à saúde dos fios

 
Se você também está na dúvida se pode ou não comprar um xampu com sal, vale ouvir a opinião de alguns especialistas. Maria Fernanda Reis Gavazzoni Dias, dermatologista do Pantene Institute no Brasil, diz que as consumidoras brasileiras aderiram ao uso do xampu sem sal como o "salvador dos fios ressecados". "Talvez o mito tenha surgido pelo fato de a água salgada endurecer e ressecar o cabelo. Mas não existe xampu salgado! O sal é um importante componente e, quando usado nas concentrações adequadas, jamais terá qualquer influência negativa na estética dos fios."
 
 
O principal agente de limpeza de quase todos os xampus é o 

lauril sulfato de sódio

ou derivados deste. "Trata-se de um limpador excelente, mas o xampu seria muito aguado se tivesse apenas este ativo. Para que, literalmente, o produto não escorra por entre os dedos, é preciso adicionar algo que encorpe o líquido e gere espuma. É aí que entra o cloreto de sódio, em quantidade suficiente e mínima", explica Maria Fernanda. Com ela concorda Regina Schechtman: "As concentrações são muito baixas e não causam nenhum dano". Valcinir Bedin assina embaixo.

"O sal é apenas um espessante, não interferindo em nada na qualidade do xampu no estado dos fios."

Uma observação: os bons xampus trazem agentes hidratantes que protegem o cabelo do sal que, de fato, poderia danificá-lo - como o do mar e o liberado pela transpiração. "As moléculas desses hidratantes se ligam com muito mais força à queratina e à cutícula do fio do que o sal. E tem mais, elas se depositam nas partes destruídas e ressecadas, exatamente onde há o dano e a necessidade de reparo.

Dessa forma, usando produtos de qualidade, estaremos livres do sal que realmente importa", finaliza Maria Fernanda.
 

                                

 

 

 

 

.